MEC apresenta proposta para mudar a formação dos professores

Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica foi encaminhada ao Conselho Nacional de Educação e será discutida com a sociedade, o que inclui as instituições de ensino superior

SHARE
, / 1

O MEC elaborou uma proposta para reformular os cursos de formação de professores, considerados muito extensos, afastados da realidade das salas de aula e sem aprofundamento na docência.

Enviada ao Conselho Nacional de Educação (CNE), a Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica não tem data para ser implementada ainda. Assim como ocorreu com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), o documento deve ser amplamente debatido com a sociedade, o que inclui as instituições de ensino superior privadas, responsáveis por formar a maioria dos professores de educação básica do Brasil.

Entre seus principais pontos, a Base estabelece que instituições devem focar a formação inicial, a formação continuada e a progressão da carreira docente e terem como eixo o conhecimento profissional, a prática profissional e o engajamento.  Em outras palavras, o MEC quer que os futuros professores aprendam não apenas os conteúdos específicos de sua área de formação, mas também como ensiná-los, como criar e gerir ambientes de aprendizagem e como engajar-se com as famílias, por exemplo.

“A proposta de base apresentada pelo MEC pretende revisar as diretrizes dos cursos de Pedagogia e das licenciaturas para colocar foco na prática da sala de aula, no conhecimento pedagógico do conteúdo e nas competências previstas na BNCC da educação básica”, afirmou o ministro da Educação, Rossieli Soares.

Enade

Um dos destaques da proposta é a realização anual de um Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) específico para a formação de professores.

Além de avaliar os alunos e os cursos, a prova também poderá ser usada para fins de contratação dos docentes. Katia Smole, secretária de Educação Básica, afirmou que as cidades e estados poderão, por exemplo, usar a nota do Enade como um critério no processo seletivo.

Fazer estágio em escola pelo menos uma vez na semana, já no primeiro semestre, é outra proposta para melhorar a qualidade da educação brasileira. Essa proposta abrange, inclusive, os cursos a distância e os cursos noturnos.

A compreensão de valores democráticos, da diversidade e do respeito também ganhará destaque nessa reformulação, que contém dez competências gerais e quatro específicas para serem desenvolvidas.

Reestruturação da Pedagogia

O documento propõe que o curso de Pedagogia tenha uma estrutura totalmente diferente da atual. Na visão do MEC, o ideal seria que o programa tivesse 2 anos de base comum, onde os alunos aprenderiam conhecimentos da BNCC, conhecimentos sobre o contexto de aprendizagem, políticas públicas e didáticas.

Depois dessa etapa, os estudantes fariam mais 1 ano de aprofundamento em uma das seguintes áreas: educação infantil, alfabetização e anos iniciais do ensino fundamental.

Finalmente, o curso dedicaria o 4º e último ano a uma especialização em: gestão escolar, educação profissional, didática do ensino superior e especial.

O relator do CNE para a Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica é Mozart Ramos, atual diretor de Articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna.

mudança na formação dos professores

Estágio já no primeiro semestre é uma das propostas do MEC (foto: Shutterstock)

Leia também:

Ida do ensino superior para Ciência e Tecnologia não é malvista

Mais de 40% dos jovens com diploma ocupam funções incompatíveis com sua escolaridade

Artigos relacionados

Comentários

comentários

 blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN