Notícias

A vez das públicas

Governo do estado lança Univesp, programa de formação docente a distância com 5,9 mil vagas

Apostando na resolução de dois grandes problemas na rede de ensino paulista – o montante de professores que lecionam sem diploma e a demanda por docentes nas disciplinas de exatas -, o governo do estado lançou, em outubro, o programa Universidade Virtual do Estado de São Paulo, batizado de Univesp. Com a utilização de tecnologias como internet e TV, o programa oferecerá cursos semipresenciais de graduação e especialização nas três universidades públicas paulistas, a partir de 2009. Dinheiro há: serão investidos R$ 152 milhões, sendo R$ 52 milhões da Secretaria de Educação e R$ 25 milhões por ano, nos próximos quatro anos, da Secretaria de Ensino Superior.

A Univesp prevê três módulos de atuação: o primeiro mira nos professores que já trabalham nas redes pública e privada e não têm formação superior. Por enquanto, estão previstos cursos de pedagogia na USP e na Unesp e de licenciatura em ciências na USP, com um total de 5.900 vagas. Na USP, o processo para a concretização da licenciatura em pedagogia caminha a passos lentos. A idéia é criar um curso semipresencial cuja diretriz curricular será a mesma do que a Faculdade de Educação da USP já oferece, mas com modelos curriculares diferentes. "Precisamos de um curso mais atraente, que explore as mídias em questão. Nosso objetivo é atingir, no mínimo, a qualidade do que já oferecemos aqui. Será um curso 40% presencial, com foco na educação infantil, mas também destinado aos professores do ensino fundamental I", explica Sônia Penin, diretora da Feusp.

O processo ainda está em discussão na faculdade, o que, segundo a educadora, inviabiliza sua oferta no 1º semestre de 2009. "Talvez para o segundo", alerta. A faculdade ainda tem de enviar a proposta ao Conselho de Graduação e às Comissões de Atividades Acadêmicas e de Orçamento e Patrimônio. Por último, ao Conselho Universitário.

O segundo módulo pretende suprir a carência de professores de matemática, física, química, biologia e língua portuguesa, com cursos de licenciatura nas áreas. O terceiro oferecerá cursos de capacitação, extensão e especialização para professores que buscam aperfeiçoamento profissional. Segundo a Secretaria de Ensino Superior, estão programadas especializações em docência no ensino fundamental e médio e em gestão escolar.

O aluno poderá, além de usar o ambiente de aprendizagem virtual e assistir aos programas-aula no Univesp TV, canal aberto 24 horas transmitido pela TV Cultura, dirigir-se aos pólos de ensino, localizados em cada universidade parceira. Lá haverá tutores, também disponíveis on-line e por telefone.

O decreto que institui a criação do programa foi assinado em 9 de outubro, mas nenhum curso tinha sido aprovado pela USP até essa data. A licenciatura em ciências é o que está em estágio mais avançado, à espera de aprovação na Comissão de Atividades Acadêmicas; a licenciatura em biologia está no Conselho de Graduação. Gil da Costa Marques, presidente da comissão na USP que debate o tema, diz que a universidade trabalha com o prazo do início de 2009. Mas reconhece que ainda faltam algumas definições. A licenciatura em língua portuguesa, por exemplo, ainda não foi aprovada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, onde há resistência à sua criação.