Formação GEE22

Educação antirracista para além da escola

Primeira codeputada indígena na Alesp, Chirley Pankará, e professora da USP, Iracema Nascimento falam do desafio de implantar uma educação antirracista. Ambas estarão em painel online sobre o tema em 18 de agosto, no Grande Encontro da Educação

Em pleno século 21, indígenas e negros, vez e outra são os primeiros de toda uma população a ocupar certos espaços. Não obstante, assim foi com Chirley Pankará: educadora e mestre em educação, foi a primeira codeputada indígena na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) a assumir o primeiro mandato coletivo do estado de São Paulo; e primeira doutoranda em antropologia social na USP como cotista. A única vaga afirmativa até então, foi ela mesma quem criou. “Desse meu jeito, sem medo de ser feliz”, brinca. “Antes eu tinha muito medo, mas o medo tem que ser convertido em força e luta.” Depois dela, número de vagas afirmativas para esse nível de especialização se ampliou.

Leia: Supervalorização das competências socioemocionais em um mundo mentalmente adoecido

A democratização do acesso à universidade triplicou em 20 anos a diversidade de alunos: a cada 100, 46 são negros e indígenas, mas esse crescimento não alcançou todos os cursos e muito menos todos os espaços da academia. Menos de 3% das universidades brasileiras têm equidade racial – o número de professores negros não espelha a distribuição racial na região onde estão inseridas, revela levantamento feito pelo Estadão. E se tratando de professores indígenas, o número se torna ínfimo. Sabe-se que a UFPA (Universidade Federal do Pará) conta com um e a Unicamp com dois.

“Desenvolver uma educação antirracista definitivamente não é algo simples em um país com o histórico do Brasil, fundado sob a violência racial e vivendo sob a herança da escravidão”, argumenta Iracema Nascimento, professora na Faculdade de Educação da USP e especialista em democracia e diversidade na educação. Para a pesquisadora, entretanto, incutir ideal educativo não só é possível, como urgente. Iracema é ainda membra do conselho editorial da plataforma Educação.

O problema está em toda a sociedade

Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva, primeira mulher negra a ocupar espaço no Conselho Nacional de Educação (CNE), foi a relatora do documento que deu origem à Lei nº 11.645/2008, que torna obrigatório o ensino da história e cultura indígena e afro-brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio nas escolas. Professora emérita da UFSCAR, ela diz que “a escola tem o papel de ensinar o que de melhor a humanidade produziu, colocando em diálogo as diferentes produções dos grupos étnico-raciais que compõem determinada sociedade. A escola precisa ser criativa, e já há trabalhos nesse sentido”.

Mas nem Chirley Pankará e nem Iracema Nascimento, enquanto educadoras, gostam de depositar essa responsabilidade unicamente na escola. 

Vagas para docentes negros | Inscrições até 4 de agosto

“500 anos de racismo perpetrado sobre pessoas indígenas, negras e seus descendentes, não é trabalho para um agente só”, alerta Iracema. Para ambas, é uma questão a ser abraçada por todos os agentes sociais. Por isso, aumentar a representatividade em diferentes espaços é fundamental para uma mudança de cenário.

É muito importante que essas pessoas entrem nas universidades, formem seus advogados, médicos, etc. A universidade tem que chamar os povos indígenas para dentro dessas formações. Jogar para o professor essa responsabilidade, quando a universidade não oferece oportunidade de acesso e permanência, é incabível”, pontua Chirley Pankará.


Grande Encontro da Educação

Chirley Pankará e Iracema Nascimento estarão presentes no painel online Como incluir uma educação antirracista, em 18 de agosto, no Grande Encontro da Educação, que chega à oitava edição. Janine Rodrigues, escritora e educadora especialista em diversidade, educação e ESG, também estará nessa mesa. Promovido pela Plataforma Educação e Plataforma Ensino Superior, o evento ocorrerá de 16 a 19 de agosto, de forma híbrida e com inscrições gratuitas. O encontro será híbrido nos dias 16 e 17 de agosto e somente online nos dias 18 e 19. Mais de 50 palestrantes estão confirmados.

Onde: Inteli (Instituto de Tecnologia e Liderança), localizado no campus Cidade Universitária da USP. 

Inscrições gratuitas: https://grandeencontrodaeducacao.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.