my site my site my site

Empreendedor aposta em avaliação de provas fora do padrão para melhorar a aprendizagem dos alunos

Diego Camacho é o fundador da startup TRIEduc, que oferece a Teoria de Resposta ao Item atrelada a inteligência artificial e machine learning para clientes como Faculdade Santa Casa de SP

SHARE
, / 0

A Teoria da Resposta ao Item (TRI), que se destacou quando o Enem passou a utilizá-la em 2009, vai na contramão da metodologia tradicional de correção de provas e chamou a atenção do então aluno de Estatística Diego Camacho. Seis anos depois de pesquisar o tema, o interesse pela TRI virou um negócio.

Camacho é CEO e fundador da startup TRIEduc Inteligência Educacional, que foi criada em 2015 e hoje conta com mais de 15 clientes, entre eles Editora Moderna, Quero Educação, Avalia Educacional, Unigran (Centro Universitário da Grande Dourados), Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, UNIRP (Centro Universitário de Rio Preto) e Colégio Ateneu.

Leia também:

Conheça a startup que consegue captar o sentimento dos alunos utilizando inteligência artificial

Entre outros serviços, a TRIEduc oferece às instituições de ensino a elaboração de questões nos mesmos padrões do Enem e Enade e ainda disponibiliza sua plataforma para a realização de provas online.

Mas o que é essa tal teoria

Enquanto na metodologia de avaliação tradicional as questões têm o mesmo peso e o que vale é o total de acertos, a TRI atribui um peso específico para cada item e os relaciona com as habilidades de quem está fazendo a prova. “Acredito ser uma metodologia mais justa para avaliar a competência do aluno. Além disso, ela consegue apresentar, de maneira geral, a falha da sala, qual tema precisa ser mais aprofundado”, explica o CEO.

Outro diferencial é que essa teoria possibilita, mesmo com conteúdo distinto, comparar provas realizadas em diferentes anos.

Inteligência artificial

Além de ajudar o professor a montar avaliações, o sistema SmartProva também faz correções automáticas de provas aplicadas tanto online como presencialmente. Com a inteligência artificial e machine learning, a ferramenta ainda pode ajudar a melhorar a aprendizagem do aluno, uma vez que reconhece quais temas precisam de reforço e quais exercícios podem ajudar nessa tarefa. “O nosso foco principal é usar esses dados de avaliação para melhorar o aprendizado do aluno e dar às instituições de ensino o melhor norte.”

O caminho para o empreendedorismo

Foi na feira de educação Bett Educar de 2016 que a TRIEduc aplicou seu piloto de simulado do Enem. A iniciativa deu certo e eles fecharam contrato.

Hoje a TRIEduc também está de olho na expansão do mercado de educação bilíngue: ela está com suas primeiras escolas bilíngues testando uma ferramenta de competências atrelada à Teoria de Resposta ao Item para avaliar disciplinas como matemática e ciências em inglês.

A edtech foi acelerada em 2018 pela Future Education e o CEO revela que estão se fortificando cada vez mais. A prova foi ter fechado ano passado com um bom faturamento.

Diego Camacho, CEO da TRIEduc (foto: divulgação)

Leia também:

Ensino híbrido é aposta de startup para engajar os alunos

380 mil professores conduzem o ensino superior brasileiro

Comentários

comentários

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN