RFM Editores


Saiba como acompanhar a 3ª Conferência Mundial do Ensino Superior da UNESCO

A presidente do Semesp, Lúcia Teixeira, participará do evento que acontecerá de 18 a 20 de maio, em Barcelona, na Espanha. Assista online


A 3ª Conferência Mundial do Ensino Superior da UNESCO (WHEC2022) reunirá as partes interessadas e relevantes do setor, entre 18 e 20 de maio, em Barcelona, para definir um roteiro de uma nova era do ensino superior.

Com o tema como tema A reinvenção da educação superior para um futuro sustentável, este roteiro responderá aos desafios enfrentados pela humanidade e pelo planeta, com atenção especial à disrupção global criada pela covid-19, mas também analisará tanto os sistemas de ensino superior (normas, políticas, estruturas, partes interessadas), como as instituições (universidades, entidades especializadas, redes).

Leia: Relatório da FGV identifica 9 tendências sobre futuro do ensino superior

Representação brasileira

Antes da realização da conferência, o Semesp enviou para os organizadores, como forma de contribuição ao evento, o documento Diretrizes de Política Pública para o Ensino Superior Brasileiro; cujo propósito é servir como referência para que os agentes públicos e privados possam instituir políticas públicas que fomentem a dinâmica e a organização do sistema de ensino superior do Brasil.

“Participar da Conferência Mundial de Educação Superior da Unesco é uma satisfação para o Semesp”, comemora Lúcia Teixeira. “Estar em um contexto tão frutífero para produção de conhecimento, diálogo político, intercâmbio e networking é fundamental para nossa entidade desempenhar melhor o seu papel”, completa.

Para acompanhar a 3ª Conferência Mundial do Ensino Superior da Unesco, é preciso fazer um cadastro, que apesar de conter a aba para pagamentos, é gratuito. Pode haver um limite para as incrições.

Será solicitado um endereço de e-mail, basta inseri-lo e seguir os próximos passos. 

Saiba mais em: https://www.whec2022.org/EN/homepage

Leia também

Investimento e qualidade do ensino superior brasileiro são muito baixos, diz especialista da OCDE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

cinco × 3 =