RFM Editores


No Japão, mulheres são barradas de ingressar no ensino superior

Quatro meses após escândalo, governo japonês divulga relatório de instituições de ensino de Medicina que criam meios para dificultar a entrada de futuras doutoras


Nove instituições de ensino superior japonesas estavam fraudando seus exames de admissão para dificultar a entrada de mulheres, pessoas mais velhas e, assim, favorecerem homens e filhos de ex-alunos.

A denúncia foi feita pelo Ministério da Educação do país e veio à tona após a divulgação de uma série de reportagens sobre a prática adotada em 2011 pela Universidade de Medicina de Tóquio, que diminuía a nota de mulheres no exame de admissão. A universidade admitiu as irregularidades.

Em 2018, apenas 30 mulheres ingressaram na instituição, contra 141 homens, segundo o jornal japonês Asahi. O motivo da fraude, segundo a universidade era a de que a gravidez atrapalha o trabalho das médicas nos hospitais parceiros.

Investigação

O Ministério da Educação do Japão investigou 81 instituições do país que oferecem cursos de Medicina, dentre elas a Universidade de Juntendo e a Universidade de Kitasato, que também confirmaram que cortavam notas de mulheres para favorecer a entrada masculina.

Ao jornal Asahi, o reitor da Universidade de Juntendo, Hiroyuki Daida, afirmou que a prática acontece porque “as mulheres amadurecem mentalmente mais rápido do que os homens” e ainda se comunicam melhor. “De alguma maneira, essa foi uma medida para ajudar os candidatos masculinos”, declarou o reitor.

A Universidade de Showa de Tóquio, a Universidade Fukuoka e a Universidade Kobe são outras que foram detectadas com irregularidades, porém ainda não está claro que tipo de desvio foram feitos.

Ao jornal japonês Japan Times, o reitor da Universidade de Nihon foi outro que admitiu manobras, só que para favorecer a entrada de filhos de ex-alunos. Nos últimos dois anos a instituição favoreceu cerca de 10 estudantes.

Mulheres no Japão barradas por instituições de Medicina
Foto: Shutterstock

Leia também:

Mais de 40% dos jovens com diploma ocupam funções incompatíveis com sua escolaridade

Professores brasileiros concorrem ao Nobel da Educação

8 thoughts on “No Japão, mulheres são barradas de ingressar no ensino superior

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 × quatro =