Startup desenvolve tecnologia para facilitar o acesso de deficientes visuais à leitura e à escrita

AED Tecnologia oferece obras didáticas e de literatura por meio de um tablet e mouse em braile personalizados. Mais de 80 escolas públicas de Fortaleza já adotaram a solução

SHARE
, / 0

Mais de 6,5 milhões de brasileiros têm alguma deficiência visual, de acordo com o IBGE. Muitos deles estão em idade escolar e sofrem com a falta de acesso a materiais didáticos e obras literárias em geral. Muitos também enfrentam dificuldades com a escrita.

Esse é o público da AED Tecnologia, que desenvolveu um tablet e mouse em braile para permitir que pessoas de baixa visão, visão monocular e cegas tenham acesso a livros em braile ou em áudio. Já há mais de 150 livros didáticos disponíveis e o tablet ainda oferece acesso à Biblioteca Acessível, um servidor em nuvem com 700 obras de literatura geral.

“O que observamos é que muitas soluções nessa área são voltadas para a conversão em áudio ou apenas braile. É difícil encontrar um meio termo e a nossa solução converge tudo o que existe e com um custo acessível para chegar no interior dos estados”, explica o diretor executivo da AED, Heyder Leão.

A tecnologia está presente no ensino fundamental de 82 escolas públicas municipais de Fortaleza. Segundo a edtech (startup voltada para educação), a prefeitura gerou uma economia de mais de R$ 9 milhões na compra de livros em braile nos últimos cinco anos.

startup deficientes visuais

Martonio utilizando o tablet e mouse personalizados pela AED
(foto: Kécio Gonçalves)

O impacto na escrita

Durante suas pesquisas para desenvolver a ferramenta, Heyder percebeu a dificuldade de alguns deficientes visuais com a ortografia tanto pela falta de prática quanto pela dificuldade de conferir o que escreveram.

A partir dessa observação, hoje o produto desenvolvido pelo empreendedor permite que estudante use o teclado convencional e, com mouse em braile, confira sua escrita. Ele também pode ouvir o que escreveu se for cego.

Próximos passos

A plataforma é vendida e tem opção de uma mensalidade para atualizar os softwares e conteúdo.

A AED pretende criar uma estrutura com Big Data para fazer uma análise qualitativa da evolução do aluno durante a trilha de aprendizagem. “Eles já estão lendo mais e queremos que essa leitura aumente e aconteça de forma mais fluida e coesa.”

A preocupação do diretor é com a inserção dessas pessoas no dia a dia, que precisam ganhar autonomia. “Eu não posso inserir a criança dentro da sociedade sem que ela possa ler uma receita de bolo, um contrato ou manual. Se não souberem o básico, o que serão dessas crianças?”, questiona.

No ano que vem, as ferramentas da startup entrarão no ensino médio de escolas públicas da Paraíba. O grupo também está desenvolvendo uma plataforma para uma aluna de uma instituição pública de ensino superior.

Desenvolvimento

A AED nasceu em 2010 dentro da incubadora de empresas do Instituto Federal do Ceará. O desenvolvimento da ideia e o protótipo vieram com o investimento de R$ 200 mil da Funcap (Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Atualmente, a startup faz parte do programa de aceleração InovAtiva, que, segundo o diretor executivo, é fundamental para a trajetória de qualquer empreendedor.

startup deficiente visual tablet e mouse

Tablet auxilia na leitura e na escrita (foto: divulgação)

Leia também:

Professores estão assistindo as próprias aulas para melhorar o desempenho em sala

Plataforma promete captar e reter alunos e ainda colocá-los no mercado de trabalho

Artigos relacionados

Comentários

comentários

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN