Um passo além

Apesar de já trabalhar com uma elevada carga de atividades práticas, Unifaj adota o ensino modular para acabar com o ensino “fordista”

SHARE
, / 0
unifaj

Unifaj: desde o primeiro semestre do ano, sete cursos começaram a funcionar no novo modelo

“Seu futuro na prática.” Esse foi o slogan adotado pelo Centro Universitário de Jaguariúna (Unifaj) há 19 anos, quando foi criado. Localizada a 125 km de São Paulo, a instituição buscava atender os alunos da região e oferecer um modelo de ensino que combinasse atividades teóricas e práticas na mesma proporção, de modo que os alunos pudessem fazer experimentos e desenvolver a curiosidade, o pensamento crítico e a capacidade de solucionar problemas.

Quando o gestor de Inovação Acadêmica Sílvio Petroli Neto fez uma visita técnica a Harvard, ele não se impressionou com o que viu por lá. Da mesma forma, achou natural o movimento marker que ganhou força em universidades americanas de ponta, como Stanford e MIT, há sete anos. As práticas dessas instituições não estavam tão distantes da realidade da Unifaj – pelo menos não na essência.

O reconhecimento de estar acompanhando as transformações educacionais foi talvez o que motivou a instituição a dar mais um passo e extinguir o ensino por disciplinas. A mudança foi inspirada nas atividades do Consórcio STHEM Brasil, rede de inovação acadêmica que reúne dezenas de instituições de ensino brasileiras. A Unifaj começou adotando a aprendizagem ativa e agora oferece, desde o primeiro semestre de 2018, sete cursos de graduação em que o conteúdo não é apresentado de forma fragmentada, mas em módulos.

Como exemplo, Petroli Neto cita o caso do curso de Engenharia, que tem o primeiro módulo dedicado ao tema “Estruturas fixas e móveis”. Nesse bloco, foram alocadas todas as disciplinas relacionadas ao assunto – ainda que na grade tradicional elas seriam apresentadas no 7º ou 8º período.

“Nossos professores e coordenadores desconstruíram o currículo, pois aquele modelo do conteúdo encaixotado em disciplinas – um modelo que deve muito ao conceito Ford – não serve mais para o mercado atual”, reflete.

Em equipe, os professores planejam as aulas e buscam atuar mais como orientadores dos alunos. A avaliação se tornou processual, acontece todas as semanas e se divide em três partes: conceitual, procedimental e atitudinal. Sobre essa última frente, os professores buscam desenvolver o trabalho em equipe, a interdisciplinaridade e o senso crítico, para citar algumas das atitudes trabalhadas.

A tecnologia é um pilar importante do projeto. Com o apoio da consultoria ENG, a instituição adotou os serviços do Google for Education, além de Chromebooks, para trabalhar com o modelo da sala de aula invertida e com o compartilhamento de conteúdos.

Leia também:

O ensino fragmentado em disciplinas está perdendo força nas instituições de ensino

Quais habilidades devem ser privilegiadas

Para trabalhar, não basta conhecimento

Artigos relacionados

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN