RFM Editores


1 milhão de jovens deixam de ir para a faculdade nos EUA

Analistas e pesquisadores traçam um quadro sombrio se os Estados Unidos não reverter a queda de matrícula no ensino superior. Os impactos na vida das pessoas e na economia são assustadores


Por Jon Marcus*:Um declínio acentuado e persistente no número de americanos indo para a faculdade – quase um milhão desde o início da pandemia, de acordo com números recém-divulgados, e quase três milhões na última década – poderia alterar a sociedade americana para pior, mais ainda quando nações economicamente rivais como a China, aumentam grandemente as matrículas nas universidades, alertam os pesquisadores que estudam o quadro.

“É uma crise, e acho que ainda não é amplamente reconhecido que é”

Jason Lane, reitor da Faculdade de Educação, Saúde e Sociedade da Universidade de Miami

As razões para a queda no número de estudantes universitários foram amplamente discutidas – taxas de natalidade em declínio , a ampla disponibilidade imediata de empregos, maior ceticismo público sobre a necessidade de educação superior – mas os potenciais efeitos de longo prazo disso receberam menos atenção.

Pessoas sem educação após o ensino médio ganham significativamente menos do que colegas de classe que obtêm diplomas de bacharel e são mais propensos a viver na pobreza e menos oportunidades de serem empregados. 

Eles são mais sujeitos à depressão, vivem vidas mais curtas, precisam de mais assistência do governo, pagam menos impostos, se divorciam com mais frequência, votam e se voluntariam com menos frequência.

Com a queda de pessoas indo para a faculdade, “a sociedade ficará menos saudável”, disse Lane. “Não deve ser bem sucedida economicamente. Haverá mais dificuldade em encontrar pessoas para preencher os empregos do futuro, e as receitas fiscais ficarão mais baixas porque não haverá tantas pessoas em empregos bem remunerados. Será mais difícil para a inovação ocorrer.”

Impacto pode agravar diferenças políticas e sociais

A crescente lacuna no nível educacional também pode piorar as divisões existentes sobre política, status socioeconômico, raça e origem nacional, disse Adriana Lleras-Muney, economista da UCLA.

“Estamos vendo mais pessoas entrando no grupo de muito azar em vez do grupo de sorte”, disse Lleras-Muney. “Isso será muito ruim para eles pessoalmente. Isso começará a aparecer em sua saúde, sua probabilidade de permanecer no casamento – você escolhe.”

Leia: Nos EUA, rapazes optam pelo trabalho a curso superior



Entre os mais afetados: crianças de famílias de baixa renda, de acordo com o National Student Clearinghouse Research Center, que relata declínios “sem precedentes” no número de alunos de escolas de alta pobreza e baixa renda que deveriam ir para o ensino superior.

“Os ganhos que obtivemos na redução da desigualdade racial e de classe estão sendo eliminados”, disse Awilda Rodriguez, professora associada do Centro para o Estudo do Ensino Superior e Pós-Secundário da Universidade de Michigan.

Os homens, em particular, pararam desproporcionalmente de ir para a faculdade. As matrículas de homens na graduação caíram mais de 10% desde o início da pandemia.

“O que isso significa para a família americana moderna? Há implicações aqui que vão a milhas e milhas e milhas”, disse Monty Sullivan, presidente do Louisiana Community and Technical College System.

“Temos um milhão de adultos neste país que saíram do caminho em direção de se tornarem classe média. Essa é a verdadeira manchete”, disse Sullivan. 

“Isso será visto como uma das grandes rupturas, não apenas por causa da pandemia, mas por causa das implicações econômicas, sociais e relacionadas à saúde”

Dependência de políticas públicas é degradante para norte-americanos

Os graduados do ensino médio que não vão mais longe em sua educação ganham uma média de US$ 24.900 por ano a menos durante suas vidas profissionais do que pessoas com diplomas de bacharel, calcula o College Board.

Eles são quase 40% mais propensos a estarem desempregados, relata o Bureau of Labor Statistics, e quase quatro vezes mais propensos a viver na pobreza , de acordo com o Pew Research Center. Também são mais suscetíveis a crises econômicas. No auge da pandemia de covid-19, as pessoas sem diploma tinham três vezes mais chances de perder seus empregos do que as pessoas com graduadas, diz Pew.

Por ganharem menos, as pessoas cuja educação formal termina com o ensino médio pagam 45% menos em impostos locais, estaduais e federais do que as pessoas com diploma de bacharel, de acordo com o College Board.

Leia: Educação a distância é o caminho



Eles exigem maiores serviços sociais. Os graduados do ensino médio que não vão para a faculdade são duas vezes e meia mais propensos do que aqueles com diploma de bacharel a receber benefícios do Medicaid (programa de assistência médica para famílias de baixa renda), quatro vezes mais propensos a obter vale-refeição e quatro vezes mais necessitados de habitação pública, enquanto seus filhos têm três vezes mais chances de se qualificar para merenda escolar gratuita.

Pessoas sem educação universitária também são menos propensas a votar, de acordo com o Census Bureau; metade da probabilidade de se voluntariar , diz o College Board; e mais propensos ao divórcio , relata o Bureau of Labor Statistics; quase metade dos casais com menos educação se separam, em comparação com 30% que são graduados.

Falta de diploma aumenta propensão de hábitos não-saudáveis

Vários estudos descobriram que pessoas sem educação universitária morrem mais jovens do que as pessoas graduadas, de cinco a 12 anos, dependendo do estudo. Na verdade, a expectativa de vida aumentou desde 2010 para as pessoas que foram para a faculdade, mesmo que tenha diminuído para aqueles que não o fizeram, de acordo com pesquisadores da Universidade do Texas, em Austin.

jovens deixam de ir a faculdade eua
“É uma crise, e acho que ainda não é amplamente reconhecido que é”

“Essas lacunas de expectativa de vida vão ficar ainda maiores do que já são”, disse Lleras-Muney, que estuda a conexão entre educação e saúde. “Podemos não ver isso por um tempo porque as pessoas que estão se formando agora não vão começar a morrer em números significativos por mais 40 ou 50 anos. Mas veremos as pessoas com a saúde pior”, sobrecarregando ainda mais o sistema de saúde.

As taxas de mortalidade mais altas para americanos menos instruídos na década de 2010 foram em parte resultado do tabagismo, uso de drogas e álcool e suicídio, descobriram os pesquisadores; entre outras coisas, as pessoas com apenas diplomas do ensino médio são quase quatro vezes mais propensas a fumar do que os graduados da faculdade, de acordo com o College Board, e pesquisadores das universidades do Texas e da Carolina do Sul descobriram que têm uma maior incidência de depressão .

Todas essas coisas estão despertando o alarme sobre o impacto mais amplo da queda das matrículas em faculdades na sociedade e na economia. Ganhos mais baixos também significam menos gastos do consumidor, o que se traduz em crescimento mais lento e afeta o padrão de vida mais amplo.

Setor político-econômico começa a se alarmar

O declínio de matrículas em faculdades e universidades dos Estados Unidos está ocorrendo em um cenário de investimento agressivo no ensino superior por rivais econômicos internacionais, como a China.

Os Estados Unidos caíram de terceiro para 12º desde 2000 entre os 38 países membros da OCDE na proporção de sua população de 25 a 34 anos com diplomas, atrás de Canadá, Coréia, Rússia e outros.

Se os americanos continuarem optando por não ir para a faculdade, “os EUA continuarão sua queda”, disse Jamil Salmi, especialista global em ensino superior e ex-coordenador de ensino superior do Banco Mundial. 

“Pode tornar outras economias mais atraentes. Podemos ver empresas se mudando para esses países.”

Embora ainda esteja bem atrás dos Estados Unidos na proporção de sua população com diplomas, a China aumentou seis vezes seu número de matrículas em universidades desde 2000, para cerca de 45 milhões, segundo a World Education Services, uma organização sem fins lucrativos que avalia credenciais educacionais internacionais.

Acadêmicos chineses já superaram seus colegas americanos no número de trabalhos de pesquisa que publicam , diz a National Science Foundation, embora os EUA ainda se saiam melhor quando medidos pela frequência com que esses trabalhos são citados.

As universidades chinesas produzem mais PhDs em ciência, engenharia, tecnologia e matemática, segundo uma análise do Centro de Segurança e Tecnologia Emergente da Universidade de Georgetown; até 2025, diz ele, a China produzirá quase o dobro de graduados com doutorado nessas áreas do que as universidades americanas.

Por outro lado…

Uma vantagem, disseram alguns formuladores de políticas, é que uma oferta menor de pessoas com diplomas acelerará a prática emergente dos empregadores de considerar o trabalho e a experiência de vida.

“Isso é algo em que as empresas já estão se tornando muito mais focadas – quais habilidades alguém tem versus qual pedaço de papel ele tem”

Sullivan

Já, mais anúncios de empregos que pagam acima do salário médio nacional estão aceitando candidatos com menos de bacharelado , segundo um estudo do Federal Reserve Bank da Filadélfia.

O que é mais uma má notícia para o setor que é afetado  imediatamente pelo declínio das matrículas: o setor de ensino superior de US$ 632 bilhões , que emprega quatro milhões de pessoas , de acordo com estatísticas do governo federal, e está em muitos campi lutando para preencher vagas.

Isso pode forçar o setor a fazer mais para reduzir as barreiras que impedem os futuros alunos – especialmente os de baixa renda – de entrar e passar pela faculdade, disse Rodriguez.

“Poderíamos estar à beira de ser levados a pensar em como o ensino superior poderia ser mais acessível, mais equitativo”

Awilda Rodriguez, professora associada do Centro para o Estudo do Ensino Superior e Pós-Secundário da Universidade de Michigan.

“Não se trata apenas de produtividade ou desenvolvimento da força de trabalho, embora todas essas coisas sejam verdadeiras”, disse ela. “Trata-se de tornar as oportunidades disponíveis para os alunos.”


*Jon Marcus escreve e edita histórias e ajuda a planejar a cobertura do ensino superior. Ex-editor de revista, ele escreveu para The Washington Post, The New York Times, The Boston Globe, Wired, Medium.com

Esta história sobre baixa matrícula em faculdades foi produzida pelo The Hechinger Report , uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos focada em desigualdade e inovação na educação

Leia também:

A luta das faculdades dos EUA para não fechar

One thought on “1 milhão de jovens deixam de ir para a faculdade nos EUA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3 × três =