NOTÍCIA

Gestão

As tendências para o ensino superior em 2023

Pesquisa traz vinte especialistas que tateiam o futuro próximo e auxiliam na formulação de estratégias

Publicado em 23/01/2023

por Redação

pexels-lukas-590022

O Semesp, o consórcio Sthem Brasil e a revista Ensino Superior realizaram a pesquisa Tendências no Ensino Superior no Brasil com vinte especialistas, entre reitores, gestores e pesquisadores do ensino superior, locais e internacionais. Cada especialista apontou cinco tendências para 2023. A diversidade de perspectivas dos entrevistados garante uma visão ampliada do setor, aprofundada pela expertise de cada um deles. O que há em comum é a visão inovadora da educação superior nas áreas acadêmicas e de gestão e negócios.

Leia: As pautas do ensino superior persistem

Entre os participantes internacionais da pesquisa estão Dale Johnson, da Arizona State University, Joaquin Guerra, da Tec. de Monterrey e Fernando Valenzuela, da Global Edtech. Entre os reitores, Beatriz Balena (UVA), Arapuan Neto (Unisuam) e Janes Tolemin (Uniaasselvi), além de  pró-reitores como Cintia Boll (UFRGS), Carla Leite (Faesa) e Wagner Sanches (Fiap) e os-reitores .Marcelo Knobel (Unicamp) e João Otávio (Unifeob), Entre os  gestores e ex-gestores estão especialistas em ensino superior, como Maurício Garcia (Inteli), Marina Feferbaum (FGV), Ana Valéria S. A. Reis (Consultora Educacional), Gustavo Hoffmann (Grupo A) e João Vianney (Hoper). Do Semesp, participaram a presidente da entidade,  Lúcia Teixeira (Unisanta), Rodrigo Capelato (Semesp) e Fábio Reis (STHEM Brasil e MetaRed) também contribuíram com a publicação.

Entre as tendências mais citadas pelos especialistas estão as seguintes:

Consolidação do ensino híbrido e EAD

Investimentos no aperfeiçoamento de plataformas para videoconferência e aulas síncronas, formação de docentes em tecnologia digital, protagonismo do aluno. Manutenção  da qualidade em consonância com resultado positivo para a sustentabilidade das IES. EAD permanece e é alternativa para alunos de baixa renda.

→ Inteligência artificial e tecnologias imersivas oferecem novas ferramentas pedagógicas.

Interfaces mais amigáveis, eficácia nos algoritmos, possibilidade de feedback imediato, chatbots cognitivos disciplinares aprimoram processos de ensino-aprendizagem. A tendência é internacional. No Brasil, as IES podem ter dificuldades com os custos. 

→ Reformulação de modelos acadêmicos

Flexíveis, permeados por tecnologias, provendo a integração da academia com as empresas parceiras das IES, adoção de  microcertificações. Desenvolvimento do aluno e sua avaliação por competências.Foco no sucesso do estudante. 

→ Utilização de dados para aperfeiçoamento da gestão e do aprendizado do aluno

Criação de estruturas para geração de indicadores da performance acadêmica, que podem levar à personalização da experiência do aluno. Coleta e análise de dados também para aperfeiçoar a gestão administrativa.

→ Redes de cooperação

Superando a cultura local de isolamento, ocorrerá a consolidação dos ecossistemas de redes de cooperação para compartilhamento de interesses comuns e  fomento do aprendizado institucional.

Conheça todas as previsões em:

Autor

Redação


Leia Gestão

Uniube

Expansão no Triângulo Mineiro é resultado de tradição e ousadia

+ Mais Informações
Fernanda Verdolin

Cultura de carreira pode garantir empregabilidade

+ Mais Informações
Marina Feferbaum

Novas demandas mundiais transformam a sala de aula

+ Mais Informações
Taiguara Langrafe é organizador do FinancIES

FinancIES: diretores executivos questionam ensino superior

+ Mais Informações

Mapa do Site