NOTÍCIA

Gestão

Nas IES dos EUA, saúde mental conta com aconselhamento religioso

A pastoral tradicional está sendo ampliada para atender às necessidades dos estudantes

Publicado em 13/06/2023

por Ensino Superior

Saúde mental Nem todo terapeuta está preparado para entender as nuances de diferentes religiões (Foto: Freepik)

Por Olivia Sanchez/The Hechinger Report

Uma professora de psiquiatria de Stanford se viu em uma posição estranha no início de 2017. A administração Trump havia proibido viagens de pessoas de sete países – de maioria muçulmana –, aos Estados Unidos. A comunidade de Stanford estava desesperada. Percebendo que era necessária uma ajuda extra, a universidade pediu à Doutora Rania Awaad que realizasse um horário de atendimento semelhante a uma terapia com estudantes muçulmanos. Ela é psiquiatra, mas trabalhava em sala de aula, não como terapeuta.

No entanto, ela notava que muitos alunos precisavam desesperadamente de terapia. Rania se lembra de um aluno compartilhando que suas opções de atendimento psicológico no campus pareciam um provedor que não sabia nada sobre o Islã ou sobre o trauma que havia experimentado.

Em Stanford e nas faculdades que Rania visitou, os alunos sempre diziam que, quando precisavam de cuidados, não queriam ir ao centro de aconselhamento do campus porque não viam terapeutas muçulmanos ou que acreditavam poder entendê-los.

Os dados que coletou durante as sessões de 2017 impulsionaram a pesquisa e o ativismo estudantil na Universidade da Califórnia, em Berkeley, onde ela ajudou a lançar a primeira Iniciativa de Saúde Mental Muçulmana no ano anterior, e em Stanford, onde o modelo foi desenvolvido pela primeira vez na Associação Mental Muçulmana, Laboratório de Saúde e Psicologia Islâmica. Agora, em ambos os campi, essas iniciativas trabalham ao lado de uma organização sem fins lucrativos chamada Maristan para colocar terapeutas que se identificam como muçulmanos nos campi universitários.

 

Leia: Faculdades cuidam da saúde mental

 

“Para mim, é como noite e dia”, disse Rania, referindo-se à disponibilidade do recurso para a comunidade do campus. “Os alunos, quando sabem que existe um apoio e a quem recorrer, têm um sentimento de pertencimento que é muito importante.” Grupos religiosos em campi universitários que há muito aconselham estudantes que lutam com questões de fé ou espiritualidade agora adicionam médicos de saúde mental em centros religiosos do campus e treinam líderes religiosos para saber quando encaminhar os alunos para o atendimento psicológico.

Pesquisas apontam que pessoas entre 18 e 25 anos são mais propensas do que aquelas em qualquer outra faixa etária a sofrer de doença mental, e a maioria dos problemas de saúde mental se desenvolve aos 24 anos. A maioria das faculdades oferece algum tipo de serviço de saúde mental no campus. A necessidade de cuidados de saúde mental intensificou-se drasticamente durante a pandemia.

A religião e a espiritualidade podem contribuir para uma boa saúde mental, mas as pessoas com fortes afiliações religiosas podem sofrer de problemas de saúde mental e experimentar o estresse da vida como qualquer outra pessoa. E as que sofrem discriminação religiosa são mais propensas do que outras a sofrer de transtornos mentais comuns. 

Nem todo terapeuta está preparado para entender as nuances de diferentes religiões. Um estudante muçulmano pode precisar falar sobre a dificuldade de coordenar os horários das aulas com os da oração. Ou um estudante judeu pode querer discutir a luta para se manter kosher no refeitório. Esses abismos de compreensão podem tornar mais difícil para alguns alunos religiosos obter ajuda.

 

Leia: Por que devemos ensinar ética no ensino superior

 

“Ter um espaço onde já existe uma visão de mundo compartilhada, mesmo que não seja totalmente aceita, apenas dá às pessoas uma sensação de segurança e pertencimento”, disse Stephanie Winkeljohn Black, professora assistente de psicologia na Pennsylvania State University Harrisburg, que estuda a interseção de religião e espiritualidade com saúde mental.

Para atender melhor esses alunos, a Iniciativa de Saúde Mental Muçulmana colocou terapeutas em pelo menos três universidades e tem planos de continuar expandindo. Para melhor atender estudantes judeus, terapeutas, assistentes sociais ou funcionários dedicados ao bem-estar foram adicionados a pelo menos 15 centros Hillel do campus, como parte de um programa piloto de saúde mental e bem-estar que está programado para se expandir para outros Hillels do campus. Essas estratégias se concentram em alunos que fazem parte de grupos religiosos minoritários que foram historicamente discriminados e que podem ter dificuldade em encontrar terapeutas que compartilhem sua identidade.   

As faculdades que têm afiliações com católicos, evangélicos ou outras religiões cristãs tendem a oferecer recursos religiosos e aconselhamento e serviços psicológicos no campus. A Catholic Campus Ministry Association, que tem membros em faculdades religiosas e seculares, notou um aumento nas necessidades de saúde mental dos alunos durante a pandemia e começou a treinar funcionários não clínicos do campus para entender e responder melhor aos problemas de saúde mental dos alunos. Mesmo que os estudantes cristãos não frequentem uma faculdade religiosamente afiliada, é mais provável que encontrem um aconselhador que entenda sua religião porque é a religião majoritária no país.

 

SSIR Brasil: Construindo uma cultura de pertencimento

 

Os defensores dizem que, além de ajudar os alunos muçulmanos e judeus a se sentirem mais à vontade com os aconselhadores, adicionar terapeutas em centros religiosos reduz o estigma em torno da obtenção de ajuda e torna mais fácil para os alunos encontrarem os cuidados de que precisam. Esses terapeutas também podem aliviar a pressão de agendamento nos centros de aconselhamento do campus, que geralmente oferecem um número limitado de sessões aos estudantes e podem ter um longo período de espera.

Embora esses modelos possam ajudar, também é importante que tanto os terapeutas quanto os líderes religiosos permaneçam dentro dos limites de seus conhecimentos e saibam quando encaminhar alguém para outro tipo de tratamento, disse Stephanie Winkeljohn Black. “Como clínico, você deve ter muito cuidado para não interpretar textos religiosos ou falar de uma determinada doutrina de fé. Eu não faria isso nem para o meu próprio grupo religioso, se estivesse trabalhando com alguém da mesma tradição religiosa”, diz. “Minha principal preocupação é a pessoa à minha frente e sua saúde mental. Ser capaz de saber quando se referir a um clérigo é realmente importante por esse motivo.”

 

Uma estrutura para servir a saúde mental do estudante muçulmano

 

Estudantes muçulmanos, como outros universitários, estão tentando cuidar de sua saúde mental enquanto fazem malabarismos com o estresse acadêmico e novos relacionamentos, muitas vezes enquanto estão longe de casa pela primeira vez. Mas essas questões são complicadas por experiências de questões raciais, discriminação e geralmente por se sentirem como membro de um grupo minoritário, disse Abiya Ahmed, reitora associada de estudantes e diretora do Markaz Resource Center, em Stanford. “Não estou dizendo que não pode ser cuidado por outros médicos, mas pode ser tratado de maneira mais eficaz, eficiente e apropriada por médicos que se identificam como muçulmanos”, explica.

Mahnoor Hyat, uma recém-formada em Stanford que começou a pesquisar questões de saúde mental muçulmana no campus, após ouvir sobre a imensa necessidade de seus amigos, disse que nenhuma abordagem única resolveria todos os problemas que os membros de sua comunidade enfrentam. Muitos alunos queriam a opção de ter um terapeuta muçulmano, ela descobriu, enquanto outros disseram que prefeririam conversar com alguém com quem se identificassem de outra maneira, mas que fosse ligeiramente afastado de sua comunidade religiosa.

Mahnoor lembrou-se de ter aprendido em grupos focais que os alunos que já haviam tentado obter ajuda “passaram literalmente de 30 a 40 minutos na sessão explicando de onde vinham e o significado cultural de algo sobre o qual estavam falando”. Ela acrescentou: “e eles falaram sobre se sentirem tão exaustos quando a sessão terminou, porque basicamente tiveram que ensinar seu terapeuta”.

Agora, por meio da Iniciativa de Saúde Mental Muçulmana e do Maristan, a universidade contrata terapeutas muçulmanos para melhor atender às necessidades dos estudantes muçulmanos. 

 

Leia: Saúde mental precisa da diversidade

 

Mahnoor Hyat, agora uma estudante de doutorado em psicologia clínica na Universidade de Washington, diz estar grata por sua pesquisa ter recebido uma resposta positiva até agora, e espera que Stanford seja proativa no futuro para atender às necessidades de estudantes historicamente marginalizados.

Existem equipes da Iniciativa de Saúde Mental Muçulmana na Universidade da Califórnia, em Berkeley, e na Northwestern University, em Illinois. Estudantes de outros campi estão pressionando para estabelecer mais equipes, disse Rania Awaad. Grupos de estudantes em outras escolas receberam treinamento dessas equipes da Iniciativa de Saúde Mental Muçulmana, e alguns grupos fazem parceria com organizações locais, como o Khalil Center, que oferece serviços psicológicos baseados em princípios islâmicos. 

Mas os estudantes muçulmanos da maioria das faculdades do país não têm acesso a esses recursos. Nimrah Riaz, presidente do conselho da Associação Nacional de Estudantes Muçulmanos, disse que, se tivesse recursos ilimitados, garantiria que todos os capelães da entidade fossem treinados em aconselhamento de saúde mental. 

Por enquanto, Riaz incentiva os alunos muçulmanos de vários campi a fazerem um curso de Primeiros Socorros em Saúde Mental, que ensina não profissionais sobre sinais de alerta de saúde mental e como ajudar alguém que está passando por uma crise de saúde mental. 

 

Uma abordagem multifacetada na Hillel

 

As organizações Hillel, que atendem estudantes universitários judeus, também estão oferecendo aconselhamento de saúde mental. Os terapeutas são financiados por meio de parcerias com grupos judeus locais e organizações judaicas de serviço familiar.

“Para aqueles alunos que estão tendo dificuldade em entender o fato de que podem se beneficiar da terapia, entrar em uma unidade de saúde mental do campus é diferente de entrar em um prédio da Hillel”, disse Amee Sherer, diretora executiva da Hillel na Universidade de Washington. “Este é um espaço seguro para eles. Esperamos que seja menos estigmatizado.”

Hillel, da Universidade de Washington, teve um terapeuta em meio período por muitos anos, desde a década de 1990, mas com a pandemia, a equipe de Hillel viu a necessidade de apoio à saúde mental dos alunos. Com o Jewish Family Service de Seattle, o campus Hillel acabou contratando uma assistente social clínica licenciada para servir como terapeuta interno em tempo integral. 

Sheri Davis, que atuou nessa função nos últimos dois anos, disse que os alunos muitas vezes a procuravam lutando contra a ansiedade ou a depressão. Mas eles também tiveram problemas relacionados à fé e cultura judaica, como as lutas do namoro inter-religioso, estar longe de casa nas festas de fim de ano pela primeira vez, anti-semitismo ou a perda de entes queridos durante a pandemia, quando a necessidade de distanciamento social dificultou a observação do ritual de luto.

 

Leia: 35% dos estudantes têm problemas de saúde mental

 

Além de usar métodos típicos de aconselhamento, Davis os lembrou dos valores judaicos e os incentivou a se envolverem com Hillel e seus eventos para ajudar a combater o isolamento. Amee Sherer disse que acha que parte do valor é o “sabor cultural da familiaridade”.

Leah Siskin Moz, diretora sênior de bem-estar de alunos e funcionários da Hillel International, disse que o programa piloto de saúde mental e bem-estar inclui terapia, treinamento em saúde mental para que os funcionários da Hillel que não são terapeutas saibam quando seus alunos precisam de ajuda e bem-estar, com atividades para incentivar a conexão.

Os alunos geralmente constroem relacionamentos fortes com a equipe da Hillel e os procuram para compartilhar o que está acontecendo em suas vidas, disse Leah. Segundo ela, esses relacionamentos são a base que fará com que o programa de saúde mental e bem-estar seja bem-sucedido.

Algumas das faculdades do programa piloto Hillel têm um funcionário dedicado ao bem-estar, em vez de um provedor de saúde mental licenciado; alguns têm ambos. Na University of Southern California Hillel, o trabalho de Leenie Baker, separado do trabalho de terapeuta da equipe, concentra-se no planejamento de eventos e treinamento para alunos destinados a promover a conexão e ajudá-los a estabelecer um sentimento de pertencimento. Além de realizar eventos regulares de Hillel, como refeições de Shabat nas noites de sexta-feira, Baker recentemente realizou um workshop com tema de jardinagem, uma noite de microfone aberto e um workshop de meditação.

“Quando você está em um tipo de ambiente ‘panela de pressão’, há muitas expectativas de ser muito bom nas coisas que faz e, realmente, acho que podemos promover atividades que apenas incentivam os alunos a se expressarem criativamente e tentarem algo novo ou algo em que eles não sejam bons, é muito útil para o nosso bem-estar holístico”, disse Baker. “É permitir que você seja apenas uma pessoa, em vez de ter que se esforçar para atender a alguma expectativa.” 

 

Autor

Ensino Superior


Leia Gestão

Cursos de medicina

Aumenta procura por financiamento para medicina

+ Mais Informações
Liderança transformacional

Como ser uma liderança eficaz na educação

+ Mais Informações
Brazil Conference

Brazil Conference reúne pesquisadores brasileiros em Harvard e no MIT

+ Mais Informações
Captação e retenção de estudantes

IA potencializa a captação de alunos

+ Mais Informações

Mapa do Site