NOTÍCIA

Edição 284

As faculdades que não vão desaparecer

Nos EUA, estudantes e especialistas se levantam para salvar escolas ameaçadas. A sobrevivência, segundo eles, não tem a ver apenas com o prestígio

Publicado em 31/05/2024

por Ensino Superior

Hampshire College Especialistas afirmam que instituições como a Hampshire College servem como incubadoras para a inovação educacional (foto: reprodução)

Por Jon Marcus, do The Hechinger Report*:

AMHERST, Massachusetts – Quando Alex Robinson disse a parentes e amigos que estava pensando em estudar no Hampshire College, “todas as pessoas disseram: ‘Ah, não é essa a escola que está fechando?’” Afinal de contas, a Hampshire havia anunciado que procurava um parceiro para uma fusão, enquanto enfrentava projeções financeiras e de matrículas sombrias. Em 2019, ela não aceitou alunos novos e seu futuro permaneceu incerto.

Mas para Robinson, que cursou o ensino médio em uma escola de artes em Nova York, “definitivamente valeu a pena correr o risco” de se matricular nessa pequena faculdade com seu currículo alternativo de aprendizado autodirigido e sem notas ou cursos – por mais incerto que seu destino pudesse parecer. “Eu senti que seria feliz aqui.”

À medida que as faculdades continuam fechando ou se fundindo – mais de 60 nos últimos cinco anos e 14 apenas desde o início da pandemia –- um coro crescente de vozes está alertando para o fato de que isso está cobrando mais do que apenas um preço emocional e econômico de alunos, ex-alunos, funcionários e comunidades.

Eles afirmam que faculdades como a Hampshire oferecem opções em um cenário de ensino superior cada vez mais conformista; servem como incubadoras para a inovação educacional, ajudam a prosperar os alunos que ficariam perdidos em instituições mais convencionais e rígidas, e formam graduados com o tipo de criatividade que os empregadores querem e precisam.

Se esses lugares desaparecerem, “perderemos o que essas faculdades pequenas oferecem tão bem – esse espaço no qual os alunos podem ter ideias originais e alguém que os ouça”, disse Meredith Woo, presidente da Sweet Briar College, na Virgínia, que teve seu próprio caso de mortalidade.

 

Leia: Universitários das áreas rurais dos EUA pressionam por apoio

“Esses ecossistemas exclusivos são de onde vem a diversidade, de onde vêm as novas ideias”, disse Kieran Turan, membro do conselho de uma coalizão que está tentando impedir que o Mills College, só para mulheres, na Califórnia, se funda com a Northeastern University. “Você não quer perder esse ecossistema único e, de repente, substituí-lo por uma grande loja.”

Quando a então presidente anunciou que a Hampshire estava procurando um parceiro para uma fusão, os alunos reagiram com uma ocupação de 75 dias em seu escritório. Ela renunciou, juntamente com o presidente e o vice-presidente do conselho de administração, e seus substitutos estabeleceram uma meta de arrecadar US$ 60 milhões até 2024 para manter as coisas funcionando. Até o momento, os ex-alunos e apoiadores já contribuíram com US$ 33 milhões. O tumulto é o tema de um documentário recém-lançado pela diretora e ex-aluna da Hampshire Amy Goldstein, The Unmaking of a College.

O corpo docente, os alunos e os ex-alunos da Hampshire decidiram “realmente fazer algo a partir de uma situação que parecia desesperadora e sem esperança e transformá-la em algo que, na verdade, é bastante impressionante”, disse Kaca Bradonjic, professor assistente de física.

Estudantes, pais e ex-alunos da Sweet Briar entraram com processo para reverter o fechamento planejado dessa faculdade só para mulheres, conseguindo, por fim, destituir o presidente e o conselho de administração e manter o campus aberto. A Antioch College, em Ohio, que se concentra no ativismo e na justiça social e é administrada coletivamente por seus professores e alunos, reabriu depois de fechar por três anos, durante os quais os professores e ex-alunos processaram e arrecadaram dinheiro para reerguê-la. O corpo docente e os ex-alunos da Mills prometeram continuar lutando contra sua fusão com a Northeastern, que já está em andamento.

 

Inovações acadêmicas: Expansão no Triângulo Mineiro é resultado de tradição e ousadia

Embora sejam minúsculas, essas instituições têm um impacto enorme, dizem seus apoiadores. A Hampshire foi fundada em 1970 como um laboratório de ideias educacionais pelas faculdades vizinhas Amherst, Smith e Mount Holyoke e pela Universidade de Massachusetts Amherst. Inovações como o abandono de notas em favor de avaliações escritas foram pioneiras aqui, e os alunos concluem seus estudos com projetos independentes de um ano e dão aulas uns para os outros.

Antioch College

A Antioch College é administrada coletivamente por seus professores e alunos e reabriu
depois de fechar por três anos (foto: divulgação)

Em uma caminhada pela quadra solitária em uma tarde fria de inverno, o presidente Ed Wingenbach – os alunos o chamam simplesmente de Ed – usava um boné de malha com o logotipo da faculdade, um carvalho em espiral, e seu lema, “non satis scire”, que significa “saber não é suficiente”. Ele comparou a Hampshire e faculdades semelhantes a “skunkworks”, ou locais onde pensadores criativos têm independência para apresentar ideias, normalmente para produtos industriais revolucionários.

A singularidade de Hampshire é evidente desde a entrada, onde a placa de limite de velocidade diz “17”, e na minúscula livraria que vende camisetas que celebram o time de futebol inexistente. “Invicto desde 1970”, dizem elas. Entre os ex-alunos estão o documentarista Ken Burns, a atriz Lupita Nyong’o, o autor Jon Krakauer, o diretor Barry Sonnenfeld e o ator Liev Schreiber. O ativista e escritor James Baldwin e a fotógrafa Diane Arbus fizeram parte do corpo docente.

“Há um ethos na Hampshire que atrai um certo tipo de estudante, interessado em experimentar e assumir riscos, mas também interessado em mudanças drásticas. Eles querem tornar o mundo melhor”, disse Wingenbach. “E eles não veem muitos lugares como esse.”

 

Leia: Faculdades perguntam como a vida doméstica afeta os estudos

 

Foi isso que atraiu Robinson. Ele e seus colegas de classe estão aqui “não apenas para obter um diploma, mas para aprender, fazer mudanças e fazer perguntas”, disse ele. “Sinto que, se eu fosse para uma escola normal, não teria nada disso.”

Apesar dos problemas amplamente divulgados da Hampshire, um número pequeno, mas crescente, de alunos em potencial parece concordar. Quando a faculdade voltou a aceitar alunos ingressantes em 2021, 201 se matricularam; mais de 2.000 se candidataram para ingressar no próximo outono, o dobro do número de alunos que havia nesta época no ano passado, disse uma porta-voz. A meta é reconstruir gradualmente o número total de matrículas para 1.200, abaixo do pico de 1.500 em 2011, mas acima dos 472 que agora povoam esparsamente o campus de 800 acres, visivelmente silencioso, à sombra da cordilheira Mount Holyoke.

Liam Studer transferiu-se para cá depois de dois anos e meio na George Washington University. Ele se formou em ciências políticas com planos de se tornar advogado, mas achou a universidade muito grande e seus colegas de classe mais focados no networking do que no aprendizado. “Eu simplesmente me perdia muito”, disse. Os orientadores “nem se davam ao trabalho de saber meu nome”.

 

FinancIES: diretores executivos questionam ensino superior

Desanimado, ele concluiu que, nas grandes faculdades e universidades, “você pode ser essa engrenagem na máquina; ser aprovado, ganhar um pedaço de papel, e então você poderá dizer a um empregador que agora tem um diploma de bacharel”. O que elas não fazem é “dar aos jovens esse espaço não apenas para experimentar, mas para que eles possam realmente errar e crescer”.

A Hampshire está repleta de não-conformistas, disse Studer com aprovação. “É ótimo saber que as pessoas não são apenas ovelhas em Hampshire, e que há aquele sentimento de ‘vou fazer isso e não me importo com o que as outras pessoas pensam’.” Os defensores desses lugares dizem que os solucionadores de problemas independentes e criativos que eles cultivam estão em crescente demanda.

 

O ativismo na prática

Se não houver mais Hampshires ou Antiochs, “onde as pessoas estão experimentando no seu processo educativo, então você não terá o tipo de pessoa que fará experiências na sociedade – que dará o exemplo que outras pessoas precisam ver ou fará perguntas que outras pessoas não farão”, disse Wingenbach.

Uma das coisas que essas escolas ensinaram a seus alunos foi a prática do ativismo – incluindo o tipo de ativismo que seus formandos agora desencadearam para manter as almas maters abertas e independentes. “Essa é a ironia”, disse Claudia Mercado, uma das ex-alunas da Mills que vem lutando pelo futuro da faculdade, cujos administradores dizem que sua situação financeira é insustentável.A presidente da Antioch, Jane Fernandes, cita o primeiro presidente de sua faculdade, o reformador educacional Horace Mann, que disse: “Tenha vergonha de morrer até que você tenha conquistado alguma vitória para a humanidade”. Os ex-alunos da Antioch, disse ela, aprenderam “a se engajar mais e a criar mudanças para melhor”.

 

Fique por dentro: Licenciaturas e pedagogia EAD deixarão de ser 100% online

Essa é uma ideia atraente para pessoas como Claudia, filha de imigrantes mexicanos que estava determinada a ir para a faculdade. Mas, quando ela se inscreveu em grandes universidades públicas e em algumas outras universidades particulares, ficou preocupada com a possibilidade de se perder. “Vou ser uma entre milhares. Minha luz é brilhante, mas será que alguém pode reconhecer minha luz?”, pensou à época. Ela escolheu a Mills, cujo número de matrículas é quase metade de negros e hispânicos, de acordo com dados federais, e onde as turmas são pequenas. Armada com essa experiência, Claudia conta que fundou e agora dirige sua própria empresa.

“Não há muitos espaços como esse que realmente rodeiem as mulheres e as elevem, encorajando-as constantemente e ajudando-as a se tornarem pensadoras críticas”, disse Cynthia Mahood Levin, outra ex-aluna da Mills e presidente da Save Mills College Coalition, que estudou na Mills como uma tímida moradora do meio-oeste americano e que, a princípio, resistiu a falar mais alto. “Mas eu não tinha escolha. Havia apenas sete pessoas em minha classe. Eu tinha de puxar minha cadeira e ter uma opinião”, disse Levin, hoje uma administradora da área de saúde que participa de quatro conselhos corporativos.

 

Pressões demográficas

No entanto, não será fácil preservar as faculdades de pequeno porte, mesmo aquelas que atendem nichos populacionais, empregam métodos de ensino alternativos ou desfrutam da lealdade de alunos e ex-alunos com grandes recursos. Antes da pandemia, o último período para o qual os números estão disponíveis, 172 faculdades e universidades de todos os tipos e tamanhos estavam operando em níveis abaixo do que o governo federal considera financeiramente responsável. Poucos meses após a chegada da Covid, o Relatório Hechinger constatou que mais de 500 faculdades e universidades apresentavam sinais de alerta em duas ou mais métricas financeiras.

Enquanto isso, as matrículas em todo o ensino superior diminuíram em quase três milhões nos últimos 10 anos – um milhão apenas desde o início da pandemia – de acordo com o National Student Clearinghouse Research Center. Como as pessoas tiveram menos filhos durante a última recessão que começou no final de 2007, espera-se que as matrículas caiam novamente em nível nacional após 2025, de acordo com estimativas da Western Interstate Commission for Higher Education.

“Ainda há pressões demográficas por vir, e [os apoiadores das faculdades de pequeno porte] precisarão manter essa pressão para sustentar uma reviravolta”, disse Michael Horn, que estuda o ensino superior no Clayton Christensen Institute for Disruptive Innovation, um think tank que ele cofundou.

 

Leia: Estudos sociais em um mundo polarizado

A Sweet Briar, que oferece programas exclusivos, como aulas exclusivas para mulheres na disciplina de engenharia, dominada por homens, matriculou 205 novos alunos no outono e, embora essa tenha sido a maior turma recebida desde 2013, ainda deixa o total de matrículas em 475, em direção a uma meta de 650. A Antioch, cujos ex-alunos incluem Coretta Scott King, o criador da “Twilight Zone”, Rod Serling, e os atores Leonard Nimoy e Cliff Robertson, acrescentou 41 novos alunos no outono, informou uma porta-voz, elevando o total de matrículas para apenas 133; a faculdade vendeu sua reserva natural e sua estação de rádio.

Sem instituições como a dela, disse Fernandes, da Antioch, “perdemos uma das formas mais poderosas de dar continuidade ao pensamento progressista e ao avanço da democracia. Talvez isso pareça ridículo, mas acredito que seja realmente verdade: pequenas faculdades de artes liberais como Antioch, Hampshire, Sweet Briar e Mills têm um compromisso com a justiça social e com os indivíduos. Não estamos lutando apenas pela Antioch College. Acredito que estamos realmente lutando pelo futuro da democracia.”

 

*Esta história foi escrita por Jon Marcus para o The Hechinger Report, uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos focada em desigualdade e inovação na educação nos Estados Unidos

Autor

Ensino Superior


Leia Edição 284

Universidade inovadora

Os pilares de uma universidade inovadora

+ Mais Informações
Miguel Copetto fala sobre internacionalização

Uma porta aberta à internacionalização

+ Mais Informações
Licenciaturas

Novas regras para licenciaturas e Enade: como se adequar

+ Mais Informações
Hampshire College

As faculdades que não vão desaparecer

+ Mais Informações

Mapa do Site