NOTÍCIA

Edição 285

Universidades buscam maneiras de atrair jovens do sexo masculino

Nos EUA, a proporção de estudantes universitários do sexo masculino é agora de 41%, um recorde de baixa

Publicado em 08/07/2024

por Ensino Superior

Universidades buscam maneiras de atrair jovens do sexo masculino A proporção de estudantes universitários do sexo masculino é agora de 41%, um recorde de baixa, segundo o Departamento de Educação dos EUA

Por Jon Marcus, The Hechinger Report

BURLINGTON, Vermont – Jovens empreendedores em escolas de administração de empresas rotineiramente apresentam ideias para empresas iniciantes como parte de suas tarefas em sala de aula. Mas os que estavam fazendo isso na Universidade de Vermont (UVM) ainda estavam no ensino médio.

Era o Vermont Pitch Challenge inaugural, para o qual cerca de 150 equipes de 27 estados e sete países enviaram seus brainstorms empresariais. As cinco equipes finalistas vieram ao campus para disputar o grande prêmio: uma bolsa de estudos integral na UVM.

Suas ideias incluíam um site para ajudar candidatos ex-encarcerados a conseguir emprego, uma organização sem fins lucrativos para fornecer suporte de saúde mental a praticantes de snowboard competitivos, um dispositivo médico para evitar a recorrência de uma hérnia de disco, uma empresa para alugar equipamentos para agricultores em St. Croix e uma invenção para recarregar laptops, telefones e tablets de forma sustentável.

No entanto, essa competição não foi apenas para ajudar o planeta ou melhorar a medicina, a saúde, as oportunidades de emprego ou a agricultura. Fazia parte de uma estratégia de longo prazo para aumentar o número de homens em uma universidade em que as mulheres agora os superam em quase dois para um.

 

Leia: As faculdades que não vão desaparecer

 

Uma pesquisa minuciosa sugeriu que os programas de empreendedorismo poderiam atrair os meninos do ensino médio que estavam pensando em ir para a faculdade. As descobertas pareciam estar certas: mais meninos do que meninas participaram do concurso de apresentação. E a universidade esperava que alguns deles acabassem se matriculando. A abordagem faz parte de um número cada vez maior de esforços para aumentar o número de homens na faculdade, que vem diminuindo constantemente.

“Pensamos que essa ideia atrairia homens”, disse Jay Jacobs, vice-reitor de gerenciamento de matrículas da UVM, que se declarou satisfeito com os resultados. “Pensamos que essa ideia atrairia alunos com diversidade racial e étnica, e o que eu chamaria de alunos geograficamente diversos, alunos não apenas de Vermont ou da Nova Inglaterra.” A universidade precisa de todos esses tipos de recrutas.

Vermont tem a terceira população mais velha do país, em termos de idade média, o que torna mais difícil encontrar alunos em geral. Isso antes mesmo de um declínio drástico no número de jovens de 18 anos, que deve atingir o resto do país a partir do próximo ano. “Aqui, já sentimos os impactos do ‘precipício demográfico’”, disse Jacobs.

A proporção de candidatos do sexo masculino à universidade diminuiu de 44% em 2010 para 33% atualmente, segundo uma análise de dados federais. “Sem dúvida, noto isso”, disse Melinda Wetzel, aluna do terceiro ano que estava tomando café com uma amiga no centro estudantil. “Em minhas turmas maiores, diria que há mais mulheres. E tenho uma turma pequena onde há apenas um homem.”

 

Leia: Faculdades perguntam como a vida doméstica afeta os estudos

 

Não é apenas essa universidade que está buscando novas maneiras de recrutar homens. O número de homens matriculados em faculdades em todo o país caiu em mais de 157.000, ou quase 6%, apenas nos últimos cinco anos, de acordo com o National Student Clearinghouse Research Center. A proporção de estudantes universitários do sexo masculino é agora de 41%, um recorde de baixa, segundo o Departamento de Educação dos EUA. Isso é uma inversão completa da situação de 50 anos atrás, quando os homens superavam as mulheres na faculdade mais ou menos na mesma proporção.

Os homens também têm sete pontos percentuais a mais de probabilidade de desistir do curso do que as mulheres, informa a Clearinghouse. “Todos sabemos que essa lacuna de matrículas masculinas é algo com que teremos de lidar”, disse Jacobs.

As formas como as universidades estão tentando lidar com isso variam muito. A Universidade de Montana (UM) – cujas matrículas em geral caíram de quase 16.000 para cerca de 10.000 nos últimos 10 anos, e 58% de seus alunos de graduação são mulheres – descobriu em grupos de discussão que muitos dos homens que estava tentando recrutar estavam interessados em atividades ao ar livre. Assim, na primavera deste ano, ela enviou e-mails direcionados a futuros alunos, destacando suas aulas de caça, seu programa florestal e suas oportunidades de recreação.

 

Leia: Educação digital deve focar nas competências humanas

 

“Você já comeu carne fresca que você mesmo colheu?”, pergunta um dos e-mails. “Inscreva–se na UM e desenvolva um vínculo mais próximo do que nunca com a natureza.” Outro mostra um homem corpulento e barbudo cortando madeira. “Abrace a natureza selvagem, abrace o machado”, diz o e-mail. “Há poucas outras conexões com o mundo natural melhores do que balançar um machado afiado com o cheiro de pinho em seu nariz.”

Os candidatos admitidos que estão pensando em se matricular, ou não, também recebem cartões de verificação no estilo bingo com imagens de botas de caminhada, de esqui e de caubói. Outros materiais promocionais incluem imagens de shows country e western no campus.

Os pagamentos para a moradia dos homens – que é como a universidade mede quem se matriculará no outono, já que não exige depósitos de matrícula – aumentaram desde o início da campanha, disse Kelly Nolin, diretora de admissões de graduação.

“Em última análise, todos os alunos querem saber: ‘Vou me adaptar?”, disse Nolin. Entre os candidatos em potencial que estão cada vez mais fazendo essas perguntas, disse ela, estão homens de famílias religiosas conservadoras, em um momento em que as universidades são acusadas de serem bastiões da cultura de cancelamento da esquerda. “Queremos que eles saibam que não serão criticados por suas crenças.”

 

Outras estratégias

Mais a oeste, o Centro de Raça e Equidade da Universidade do Sul da Califórnia recebeu dinheiro da Fundação ECMC para ajudar as faculdades comunitárias a matricular e manter mais homens negros e hispânicos.

“Se, de fato, as faculdades e universidades quiserem recrutar, matricular e, por fim, reter e formar mais homens, elas precisam ter uma estratégia”, disse Shaun Harper, fundador e diretor executivo do centro. “Ela precisa ser baseada em informações e percepções dos próprios universitários.”

Em vez de tentar descobrir por que tantos homens abandonam a faculdade ou desistem dela depois de começar, disse ele, as instituições deveriam perguntar: “Espere um pouco, e os que estão aqui e são bem-sucedidos?”, disse Harper. “Quais foram os fatores que possibilitaram sua matrícula e a obtenção do diploma? Há muita coisa que podemos aprender com eles e que poderíamos ampliar e adaptar para todos os outros.”

Ele e outros disseram que estavam céticos em relação a alguns esforços para matricular mais homens, como dobrar a aposta nos esportes, acrescentando mais equipes masculinas na esperança de atrair mais alunos do sexo masculino, como algumas faculdades estão fazendo. “Nem todos estão em equipes esportivas. Portanto, essa não deve ser a única alavanca que devemos usar”, disse Harper. E mesmo que destacar a caça possa ser eficaz em Montana, “parece muita presunção sobre o que realmente atrai os homens”.

 

Podcast | O impacto da liderança nos resultados de um negócio

 

“Não tenho certeza de que as instituições entendam toda a gama de interesses dos jovens e, por isso, tendem a usar como padrão coisas como silvicultura e aventuras ao ar livre. Não sei se isso funcionaria na Califórnia ou em Maryland.”

Universidade de Vermont

Na Universidade de Vermont, estratégias evidenciam o esforço da instituição para aumentar o número de homens matriculados (foto: divulgação)

Seja o que for que funcione, as universidades estão sob crescente pressão para descobrir o que fazer. O número total de matrículas diminuiu em 16% nos 10 anos até 2022, o período mais recente para o qual os números estão disponíveis no Departamento de Educação dos EUA. Outra queda de 11% a 15% está projetada para começar no próximo ano. E há sinais de que o problema de atrair homens só tende a piorar.

Entre os meninos do ensino médio de Vermont cujos pais não têm diploma superior, por exemplo, apenas 45% desejam ir para a faculdade, contra 58% em 2018, e muito menos do que os 68% das meninas que desejam, segundo uma pesquisa. Mesmo entre os alunos do ensino médio com pelo menos um dos pais com diploma de bacharel, 87% das meninas dizem que querem ir para a faculdade, em comparação com 78% dos meninos.

 

Leia: Estudos sociais em um mundo polarizado

 

O problema começa cedo. As meninas se saem melhor no ensino médio do que os meninos e têm mais probabilidade de se formar. Nos 37 estados que informam as taxas de conclusão do ensino médio por gênero, 88% das meninas concluíram o ensino médio dentro do prazo, em comparação com 82% dos meninos, segundo um estudo de 2018 da Brookings Institution.

Os meninos são mais propensos a pensar que não precisam de um diploma para os empregos que desejam, segundo o Pew Research Center, ou a se dedicar ao comércio. Mesmo que eles se matriculem em faculdades, as oportunidades de trabalho os atraem. Os homens que abandonaram a faculdade comunitária têm mais probabilidade do que as mulheres de dizer que foi por causa de outras oportunidades de trabalho, de acordo com uma pesquisa do think tank New America.

 

Leia: Livros universitários falam pouco sobre mudanças climáticas

 

Isso passou pela cabeça de John Truslow quando ele estava decidindo se iria ou não para a faculdade. “Houve um momento em que eu não estava pensando na faculdade e considerei a possibilidade de trabalhar no comércio ou nas forças armadas”, disse Truslow, que finalmente decidiu se formar em administração na UVM.

Entre seus colegas do ensino médio que não foram para a faculdade, disse Truslow, que estava jogando bilhar no centro estudantil, alguns não tinham condições de pagar. “Mas a maioria dos que não foram diretamente para a faculdade foi principalmente por motivos acadêmicos. Eles simplesmente não estavam se sentindo bem na escola e queriam fazer outra coisa.”

 

Falta incentivo

Um terço dos homens, em comparação com um quarto das mulheres, disse que não entrou ou não terminou a faculdade porque simplesmente não queria. Segundo a Pew, Richard Reeves, que estuda esse problema, supõe que isso pode ser mais resultado do fato de termos incentivado com tanto sucesso as mulheres a obterem diplomas do que de termos desencorajado os homens.

“Acho que, na verdade, o que provavelmente aconteceu foi o contrário: enviamos uma mensagem muito forte e positiva para meninas e mulheres. Mas não tivemos mensagens semelhantes para meninos e homens”, disse Reeves, presidente do American Institute for Boys and Men.

“Agora temos de fazer uma pequena autocorreção e dizer: é claro que queremos que as meninas e as mulheres continuem a crescer no sistema educacional, mas não queremos deixar os meninos e os homens para trás.” Reeves disse que, assim como os programas dominados por homens em engenharia e negócios fizeram esforços extras para recrutar mulheres, os campos dominados por mulheres, como saúde e educação, devem agora se aproximar dos homens.

 

Meeting Educacional | Gestão deve ser atuante e ter olhar jurídico

 

“Outra coisa que as instituições de ensino superior podem fazer é analisar seus cursos e ver onde estão as maiores diferenças de gênero”, disse ele. “Em vez de pensar que o time de futebol é a resposta, talvez mais homens na escola de enfermagem seja a resposta.”

Mas o time de futebol americano pode ser uma das muitas respostas. Entre os esforços mais sutis para atrair os homens na UVM, a universidade incentiva seus alunos, professores e funcionários a usarem suas cores, verde e dourado, às sextas-feiras – os dias em que a maioria dos candidatos em potencial está visitando o campus. O “espírito escolar” é outro atributo que a pesquisa mostrou ser particularmente atraente para os homens. “Coincidentemente, as sextas-feiras são alguns de nossos dias de maior volume de visitas, sim”, disse Jacobs, sorrindo.

Os orientadores do campus da UVM dizem que os homens que se matriculam têm menos probabilidade de participar de clubes extracurriculares ou de procurar ajuda quando precisam. Alguns homens têm “essa falta de conexão”, disse Evan Cuttitta, coordenador de programas para homens e masculinidades da universidade. “Eles têm menos experiência em lidar com o estresse e se defender e muitas vezes não são tão bons na prática de pedir ajuda.” Portanto, a universidade também iniciou um programa para alunos negros e hispânicos do sexo masculino que lhes oferece mentores profissionais e colegas, estágios de verão, eventos de networking e registro prioritário.

 

Leia: Universitários das áreas rurais dos EUA pressionam por apoio

 

Todas essas medidas para aumentar o número de matrículas de homens parecem estar surtindo algum efeito. Os gêmeos idênticos Pierson e Parker Jones, de Lutz, Flórida, foram parar em Vermont para a competição de empreendedorismo. Isso colocou a Universidade de Vermont em seu radar, disseram eles.

“Não demos uma olhada na Universidade de Vermont”, disse Pierson Parker. “Mas, depois dessa apresentação, com certeza vamos dar uma olhada. Porque agora é definitivamente mais interessante.”

 

*Esta história foi escrita por Jon Marcus para o The Hechinger Report, uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos focada em desigualdade e inovação na educação nos Estados Unidos

Autor

Ensino Superior


Leia Edição 285

Alexandre Sayad aborda os desafios éticos da IA

IA na balança: pesos, medidas e regulação

+ Mais Informações
Universidades buscam maneiras de atrair jovens do sexo masculino

Universidades buscam maneiras de atrair jovens do sexo masculino

+ Mais Informações
digital

Educação digital deve focar nas competências humanas

+ Mais Informações

Mapa do Site