Coluna Thuinie Daros Notícias

Aprender com significado e propósito por meio da metodologia Learning That Transfers (LTT)

O Learning That Transfers é uma abordagem pedagógica inovadora, estruturada por meio de um Modelo Mental de Transferência de Aprendizagem, que possibilita que os estudantes não só adquiram novos saberes, mas que se tornem capazes de aplicar o aprendizado na vida real

Se você é professor certamente já deve ter ouvido uma das perguntas mais faladas pelos estudantes “Professor para quê preciso aprender isso”? A falta de significado e propósito, ou seja, não compreender o motivo, significado e aplicabilidade dos conteúdos e atividades pedagógicas pode gerar um distanciamento e consequentemente menor aprendizado dos estudantes. 

Mas, como romper com as tradicionais práticas que desconsideram as necessidades da contemporaneidade? Como promover uma abordagem pedagógica capaz de engajar os estudantes em seus processos de aprendizagem? 

O Learning That Transfers , traduzido do inglês como aprendizado por transferência, é uma abordagem pedagógica inovadora, estruturada por meio de um Modelo Mental de Transferência de Aprendizagem, que possibilita que os estudantes não só adquiram novos saberes, mas que se tornem capazes de  aplicar o  aprendizado na vida real.

Leia: Aprendizagem e o processo afetivo na relação professor-aluno

Embora o conhecimento escolar seja relevante, vale destacar que somente ele não é suficiente. Os estudantes precisam ser capazes de analisar, avaliar, criar, ter o domínio do próprio aprendizado, saber trabalhar em grupo, se comunicar e principalmente conectar o conhecimento a problemas da vida real para que entenda por que ele é relevante, isto é, pelo significado e propósito. 

LTT possibilita que os estudantes se tornem capazes de aplicar o aprendizado na vida real

Para falar sobre esta nova abordagem pedagógica, convidei a professora Marianna Saraiva* – professora em uma escola internacional em Portugal e representante oficial do LTT no Brasil – para compartilhar com nossos leitores sobre o Learning That Transfers e suas implicações. Confira trecho da entrevista: 

1. Por que você acredita tanto em Learning That Transfers?

O LTT não só transformou a forma como enxergo o currículo e os objetivos de aprendizagem, mas também a maneira como meus alunos aprendem e passam a dar um novo significado ao que acontece dentro da sala de aula. 

Ao invés de enxergar o currículo como uma série de objetivos de aprendizagem a serem feitos, o educador passa a identificar os principais conceitos que os alunos devem conhecer para assim fazerem conexões e transferirem o que aprenderam para diversas situações, independente da disciplina ou aula. As situações se transferem de forma similar ou diferente nas quais os alunos começam por explorar contextos familiares, a sua realidade e depois contextos mais globais.

A aprendizagem deixa de ser uma mera lista de objetivos a serem ensinados e passa a ter um propósito que prepara o aluno para o futuro. Pude experienciar em primeira mão a eficácia deste método com meus alunos, que foram capazes de enxergar relações conceituais e transferir seu conhecimento para diversas disciplinas.

2. Que bons exemplos práticos você  tem visto, especialmente em grandes redes?

Além de exemplos partilhados por professores dentro de suas salas de aula temos também o caso da escola do ensino básico em Shanghai, na China, a Dulwich College Shanghai Puxi.

Christine Haslett, diretora da escola que deu início à implementação do LTT testemunhou a mudança do foco de seus alunos em uma aula de literatura. Normalmente, os estudantes do quinto ano aprendem sobre William Shakespeare como uma figura literária significativa (fatos e datas) e escrevem uma biografia sobre o autor. Ao final da unidade de estudo, as crianças poderiam dizer quando e onde Shakespeare nasceu, e quantas peças ele escreveu.  

Isto não foi o que Christine encontrou ao observar uma das aulas da turma do quinto ano.  Ao invés disso, ela teve a oportunidade de escutar um grupo de estudantes de 10 e 11 anos discutir a relação entre poder e influência.  Perguntas como “Você poderia ter poder, mas não ser influente?”, “Se você tem influência, isso o torna poderoso?”,  “Você pode pensar em alguns exemplos disso? Que tal alguns não-exemplos?” faziam parte da discussão. Alguns dias depois, os alunos transferiram este pensamento e entendimento para um novo contexto, quando compararam Donald Trump e Boris Johnson, através dos conceitos de poder e influência.

A beleza deste exemplo não é apenas a exposição curricular, mas o surgimento de uma nova cultura de pensamento.  Ao transferir estes conceitos de volta à vida real, exemplos em tempo real, os estudantes estavam fazendo sentido do mundo do qual fazem parte e pensando criticamente sobre o comportamento dos líderes atuais. 

3. Como o LTT tem mudado a forma de aprender dos estudantes? 

Os alunos passam a enxergar as disciplinas de outra maneira, através de conceitos ao invés da mera memorização de fatos. A aprendizagem se torna mais significativa e duradoura uma vez que os estudantes se tornam capazes de transferir o que aprendem na sala de aula para qualquer tipo de situação ou contexto. Após Sandra Lima, professora de português da escola americana Graded, em São Paulo, conversar com sua turma da 5ª série sobre os conceitos que estudariam em sua nova unidade: água, seres humanos e sociedade, os alunos levantaram questões que chamaram a sua atenção e mostraram a necessidade de revisar os objetivos e entendimentos conceituais da unidade. Perguntas como “O que uma criança pode fazer em relação a esta questão?” ou “Como isto afeta minha vida?” levaram os professores da escola Graded, a repensar os contextos e conceitos do mundo real de que seus alunos precisavam adquirir e consolidar.

O aprendizado significativo é a chave para ajudar nossos alunos a fazer conexões e transferir seus conhecimentos para situações novas. Com o LTT, o educador prepara seu aluno para o futuro.

4. Em relação às habilidades para o século 21, como promover uma educação baseada em competências aliada ao LTT? 

Mais do que nunca vivemos em um momento no qual precisamos de diversas ferramentas cognitivas para navegar nos problemas complexos do século 21. O mundo à nossa volta é transdisciplinar, portanto, ao ensinarmos os nossos alunos a enxergar os conceitos que os rodeiam e suas conexões os preparamos para o futuro onde ele estará capacitado para transferir seu conhecimento a diversas situações.

O Modelo Mental de Transferência de Aprendizagem ajuda o professor e o aluno a enxergarem como o nosso mundo está organizado. Um dos aspectos mais poderosos é que ele pode ser usado para quebrar padrões de aprendizagem tradicionais e as literacias modernas, porque foi projetado para concentrar a atenção dos estudantes nas estruturas mais profundas de cada um desses domínios, ou seja, na habilidade ou competência a ser adquirida através dos contextos disciplinares.

O principal objetivo é ajudar o professor a identificar os conceitos e as habilidades das quais os alunos precisarão para compreender seus objetivos de aprendizagem. Uma vez que estes conceitos, os quais chamamos de conceitos âncora foram ensinados, os alunos passam a explorá-los através de desafios do mundo real. De fato, enquanto estivermos ensinando para transferência e guiando as crianças no caminho da transferência acadêmica para o mundo real, estaremos automaticamente ensinando as competências do século 21 porque é isso que a transferência no mundo real exige.

5. Para finalizar explique como funciona na prática o Modelo Mental de transferência de aprendizagem.

O Modelo Mental de Transferência de Aprendizagem é conduzido em três etapas: aquisição, conexão e transferência. 

modelo mental Learning That Transfers

A primeira etapa é a aquisição de novos conceitos. Os estudantes explicam estes conceitos em suas próprias palavras e dão exemplos e não exemplos destes conceitos. A segunda etapa é conectar os conceitos, identificando sua relação e compreendendo a interação entre eles em um contexto específico escolhido pelo professor. A terceira e mais desafiadora  é transferir estes conceitos para outros contextos, possivelmente menos conhecidos ou explorados. Durante esta etapa, os estudantes são capazes de aplicar sua compreensão das conexões conceituais em um novo contexto e obter um significado ao mesmo tempo em que aprofundam sua compreensão mais ampla desses conceitos. Os contextos passam de acadêmicos a contextos mais complexos do mundo real.

contextos mental Learning That Transfers

Marianna Saraiva é professora na Oeiras International School em Portugal e bacharel em pedagogia pela Universidade Anhembi Morumbi .

Faculdades filantrópicas representam 11% do total

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.