NOTÍCIA

Gestão

Ânima fecha 2021 com EBITDA ajustado de R$802,7 milhões

Companhia apresentou receita líquida de R$2,6 bilhões no período, aumento de 86,5% na comparação com 2020, e segue com resultados sólidos na Inspirali – vertical de medicina – forte aposta no ensino digital

Publicado em 28/03/2022

por Redação

Ebitda Anima_shutterstock companhia apresentou aumento na geração de caixa livre que chegou a R$638,3 milhões, representando alta de 79,5% do EBITDA. Foto: Shutterstock

A Ânima Educação fechou o ano de 2021 com EBITDA ajustado de R$802,7 milhões, sendo 113,9% maior que o ano anterior, assim como um lucro líquido ajustado de R$111,8 milhões, com alta de 68,2% em relação a 2020. A Ânima Educação apresentou ainda uma receita líquida de R$2,6 bilhões, alta de 86,5% se comparado ano passado, suportada principalmente pela expansão da base de alunos, que cresceu 191,2% versus o ano anterior, oriunda das aquisições.

Leia: Fundos patrimoniais em universidades brasileiras despontam

A empresa conclui o ano de 2021 com crescimento na base de alunos – que atualmente somam 321 mil estudantes em todo país. “Quando se avalia as unidades orgânicas, que são as mesmas unidades comparáveis ao ano anterior, demonstramos ainda um avanço do ticket médio, corroborando nossa estratégia de diferenciação de ticket, além de uma queda da taxa de evasão ao Ecossistema. Esses resultados consolidam o trabalho estratégico da Ânima Educação”.

Com isso, a companhia apresentou aumento  na geração de caixa livre que chegou a R$638,3 milhões, representando alta de 79,5% do EBITDA ajustado no período. Segundo comunicado da empresa, a sinergia com as empresas adquiridas no ano passado somada à capacidade estratégica de execução são alguns dos fatores que reforçam o crescimento da empresa e que devem ser realçados com movimentos concomitantes de avaliação de meios de acelerar o processo de desalavancagem.

Ebitda Anima_shutterstock
Companhia apresentou aumento na geração de caixa livre que chegou a R$638,3 milhões, representando alta de 79,5% do EBITDA. Foto: Shutterstock

“Os resultados evidenciam o aumento de nossa capilaridade empresarial e com ampla presença geográfica. Nos tornamos uma companhia em escala com resultados e margens operacionais, mas que mantém sua essência, valor e princípio de transformar o país pela educação”, destaca Marcelo Bueno, CEO da Ânima.

Vertical de medicina

Parte importante desse crescimento se deve ao amadurecimento da vertical de medicina, a Inspirali, que ganha cada vez mais representatividade dentro da companhia. No final de 2021, ganhou um destaque ainda maior após a aliança estratégica firmada com a DNA Capital, na qual aportará R$1 bilhão para permitir continuar o desenvolvimento da sua estratégia. 

A Inspirali representou 25,6% da receita líquida consolidada, alcançando o patamar de R$679,1 milhões em 2021

“A vertical de medicina é uma de nossas apostas para o crescimento que vislumbramos para os próximos anos. A Inspirali apresenta expansão orgânica relevante e que é acompanhada pelo crescimento da indústria do healthcare. A parceria com a DNA Capital representa a integração entre o ensino e o mercado de trabalho ao oferecer projetos de extensão, campos de prática e empregabilidade como proposta de valor diferenciada aos alunos”, destaca Bueno.

Investimento no ensino digital

O movimento de expansão da Companhia segue com perspectivas para novas oportunidades como o ensino digital, que contribuirá com maiores margens ao negócio. A estratégia se baseia na construção de um ecossistema capaz de oferecer educação acessível e inclusiva aos brasileiros. “O ensino digital passa a ser a nova avenida de crescimento. Seguiremos investindo em ambientes digitais, adaptativos, escaláveis, de qualidade”, explica o CEO da Ânima.

Em 2021, a Ânima registrou aumento de 98,6% na base de alunos dentro do ensino online. 

Para alavancar mais ainda essa estratégia de atuação, um exemplo recente foi a aliança com a Telefônica Brasil para a criação de uma plataforma digital de educação com cursos livres de capacitação, focada em educação continuada e empregabilidade de amplo acesso.

O ensino digital como unidade de negócio representou 6,8% da receita líquida total consolidada 4T21. Como se trata de  um negócio de escala, isto demonstra o crescimento da representatividade desta unidade de negócio com boas perspectivas de continuar seu ritmo de expansão e contribuição de margens ao longo dos próximos trimestres. O resultado operacional neste trimestre foi de R$19,5 milhões o que representa 33,6% da margem operacional.

Leia também

Relatório da FGV identifica 9 tendências sobre futuro do ensino superior

Autor

Redação


Leia Gestão

Webinar de lançamento do e-book

Novas demandas mundiais transformam a sala de aula

+ Mais Informações
Taiguara Langrafe é organizador do FinancIES

FinancIES: diretores executivos questionam ensino superior

+ Mais Informações
Evasão escolar

Por que os alunos abandonam a universidade

+ Mais Informações
Relevância das IES

Inércia pode custar a relevância

+ Mais Informações

Mapa do Site