Inovação

Colunista

Ana Valéria Reis

Consultora em inovação, aprendizagem, metodologias ativas e avaliação

O papel do educador na autonomia do jovem aprendiz

Como educadores, é nosso papel não apenas ensinar conteúdos, mas também habilidades de vida, incluindo autoavaliação

Jovem aprendiz Conexão entre a falta de independência e o comportamento de crianças e jovens em ambientes educacionais pode estar na superproteção (foto: Freepik)

Como consultora em programas de formação de professores e estudiosa em metodologias ativas e processos avaliativos, tenho questionado o porquê da dificuldade de engajarmos os alunos e conseguirmos resultados mais eficientes, principalmente em atividades em grupos, em classe ou extraclasse, de acordo com os depoimentos de grande parte dos professores.

Na maioria das vezes tratamos o tema sob o prisma da avalanche de recursos digitais, a internet e redes sociais como influenciadores diretos na mudança de comportamento dos jovens, em relação ao  tempo de atenção  e na dificuldade do “saber fazer”, de colocar a mão na massa e resolver problemas reais. Além disso, pesquisas apontam que jovens revelam a falta de conectividade sobre o que estão aprendendo com os problemas reais e sua intencionalidade de carreira profissional. 

Já sei que esse tema não é novidade entre os que estão inseridos no cenário da educação superior, mas outros fatores também surgiram nos últimos anos e que vêm sendo um desafio para as instituições de ensino. Um deles trata das questões emocionais de nossas crianças e jovens, e até adultos, com dificuldades nas suas relações interpessoais. Será que apenas inserir no currículo métodos ativos e projetos liderados por empresas que simulem o trabalho real será suficiente?

 

Leia: Gestão e docência ativa na educação superior

 

Não sou psicóloga, mas não é difícil avaliar o comportamento de crianças e jovens que vivem sob a total supervisão de seus pais ou responsáveis em relação a  onde podem ir, como ir, com quem falar, como devem se comportar ou reagir, entre outros. A realidade da maioria das crianças é a do “isolamento”, principalmente por causa dos riscos que correm nas ruas, em quaisquer lugares em que estejam sozinhas ou mesmo em grupo com outras crianças. Esse controle também impacta suas atividades escolares, não importa em que nível.

Claro que também existe a realidade oposta em que crianças e jovens batalham por sua sobrevivência e por isso desenvolvem um alto índice de responsabilidade, mas também de individualidade. Então, como promover relações saudáveis entre elas na sala de aula, de modo que se interessem pelos estudos e por um trabalho coletivo que exige delas autonomia, autorregulação e tomadas de decisão, com um ensino de qualidade, que gere valor em suas vidas e impacte seu presente e futuro?

Os métodos ativos de ensino preconizam a autonomia e o protagonismo do estudante. Mas o que nossos jovens entendem sobre tomar decisões, fazer escolhas e resolverem problemas por si mesmos? Como as instituições de ensino têm trabalhado para promover as habilidades de convivência e para desenvolver competências importantes para o seu futuro pessoal e profissional? Para relacionar esse assunto com as metodologias ativas de ensino, recuperei alguns artigos sobre essas questões.

Em entrevista à BBC News, o psicólogo americano Peter Gray, que há anos estuda o tema: a atual “epidemia de psicopatologia” entre crianças e adolescentes está diretamente ligada a um fenômeno observado no último meio século: a redução gradual do nível de independência dos jovens. Nessa entrevista, Gray aponta alguns itens relevantes que devemos observar.

 

Docência no divã: Profundidade e dialogicidade em materiais didáticos para EAD

 

A conexão entre a falta de independência e o comportamento de crianças e jovens em ambientes educacionais pode estar na superproteção e na falta de oportunidades para que crianças e jovens tomem decisões por si mesmos, e isso está contribuindo para uma crise de saúde mental. Essa falta de autonomia pode levar a dificuldades de adaptação e comportamento nas escolas, onde se espera que os alunos gerenciem suas responsabilidades e tomem iniciativas.

Na transição para a universidade, jovens superprotegidos podem enfrentar maiores desafios ao lidar com a liberdade e as pressões acadêmicas, resultando em ansiedade e problemas de saúde mental. Gray sugere que pais e educadores incentivem a independência, permitindo que crianças e jovens enfrentem desafios e aprendam com suas experiências. Portanto, não basta dizer que o estudante seja protagonista da sua experiência de aprendizagem, se ele não sabe o que isso significa.

 

Leia: Saúde mental na universidade é problema no mundo

 

Adaptar estratégias de ensino para atender às necessidades individuais dos alunos é parte fundamental de uma formação eficaz. Para isso, as IES devem alinhar constantemente com seus professores e setores responsáveis pelo acompanhamento dos estudantes ações como:

 

  1. Conhecer seus alunos: Entender sobre as habilidades, interesses, estilos de aprendizado e necessidades emocionais de cada um. Isso pode ser feito através de avaliações iniciais, observações e conversas individuais.
  2. Diferenciar: Adaptar as estratégias de ensino para atender a diferentes estilos de aprendizado. Por exemplo, alguns alunos podem se beneficiar de instruções visuais, enquanto outros podem preferir uma abordagem mais prática.
  3. Flexibilizar: Estar disposto a modificar suas estratégias de ensino com base no progresso e feedback dos alunos. Se uma abordagem não está funcionando para um aluno, tente algo diferente.
  4. Incluir: Fornecer apoio adicional aos alunos que estão lutando. Isso pode incluir tutoria individual, tempo extra para tarefas ou modificações nas tarefas.
  5. Promover a autonomia: Encorajar os alunos a assumirem a responsabilidade por seu próprio aprendizado. Isso pode ser feito dando-lhes a oportunidade de fazer escolhas em seu trabalho e incentivando-os à autorreflexão.
  6. Colaborar com pais e profissionais: Trabalhar em colaboração com os pais e outros profissionais (como conselheiros escolares) para apoiar as necessidades individuais dos alunos. O objetivo é criar um ambiente de aprendizado inclusivo e eficaz onde cada aluno possa prosperar.

 

Prêmio Prof. Gabriel Mário Rodrigues: IES são premiadas por projetos de inovação

 

A discussão sobre o engajamento dos alunos e a eficácia das atividades, seja em grupo ou individual, é profunda, complexa e multifacetada. Não basta dizer que se quer fazer isso, ou usar tal proposta inovadora principalmente como estratégias de marketing das instituições. Alguns pontos-chave estão relacionados aos métodos ativos de ensino e ao papel dos professores:

 

  • Autonomia e protagonismo: Métodos ativos de ensino, como aprendizagem baseada em projetos ou aprendizagem baseada em problemas, enfatizam a importância da autonomia do aluno, mas os professores devem criar ambientes em que onde os alunos tomem decisões significativas, façam escolhas e enfrentem desafios reais. Como mencionado pelo psicólogo Peter Gray, promover a independência dos alunos é crucial. Isso pode ser feito dando-lhes a oportunidade de tomar decisões, resolver problemas e aprender com seus erros.
  • Conexão com a realidade: Para aumentar a relevância do aprendizado, é crucial conectar o conteúdo educacional com problemas reais e intenções de carreira. Isso pode ser feito por meio de parcerias com empresas e projetos práticos que simulem situações do mundo real.
  • Saúde emocional: Questões emocionais e interpessoais podem afetar o engajamento dos alunos. Professores devem estar cientes dessas dinâmicas e trabalhar para promover um ambiente seguro, de confiança, de apoio, que reconheça e aborde essas questões. Os alunos são mais propensos a se engajar quando se sentem seguros e apoiados Antes de implementar qualquer método de ensino, é crucial entender as necessidades emocionais dos alunos.

 

Revista Educação: |ChatGPT: educador dá dicas para aguçar senso crítico dos estudantes

 

  • Desenvolvimento de habilidades sociais: Em sala de aula, seja no ambiente virtual ou presencial, é importante promover relações saudáveis e trabalho coletivo. Isso pode ser alcançado por meio de atividades que incentivem a colaboração e a comunicação eficaz entre os alunos. Atividades de construção em equipe podem ajudá-los a desenvolverem habilidades sociais e emocionais, além de promover um senso de comunidade entre eles.
  • Feedback construtivo: O feedback pode ajudar os alunos a entenderem suas forças e áreas de melhoria. No entanto, é importante que o feedback seja construtivo e encorajador.
  • Estabelecer expectativas claras: Os professores devem comunicar claramente o que esperam dos alunos, permitindo que eles entendam o que é necessário para ter sucesso.
  • Integrar o apoio emocional no currículo: Questões emocionais e de saúde mental podem ser abordadas diretamente no currículo. Aulas de habilidades sociais e emocionais, mindfulness, ou mesmo aulas da área da psicologia podem compor esse currículo.

Nada exclui a certeza de que cada aluno é único e pode responder de maneira diferente a essas estratégias. Portanto, é importante que os professores sejam flexíveis e estejam dispostos a adaptar suas abordagens conforme seja necessário. Promover a autonomia não significa deixar os alunos à própria sorte. Em vez disso, envolve fornecer o apoio e a estrutura necessários para que os alunos possam tomar a iniciativa de seu próprio aprendizado.

 

Entrevista com Ailton Krenak: Uma florestania para revitalizar os humanos e as cidades

 

Incentivar a autoavaliação dos alunos é uma parte importante do processo de engajamento para promover a aprendizagem. Para isso, é preciso ensinar os  alunos a como refletir sobre seu próprio aprendizado, fornecer a eles critérios claros e específicos para avaliar seu próprio trabalho, seu rendimento e seu nível de participação e entrega às atividades propostas. Isso pode incluir perguntas orientadoras, rubricas, listas de verificação ou exemplos de trabalhos de alta qualidade. A incorporação da autoavaliação também ajuda os alunos sobre como está seu progresso em relação às metas de aprendizagem e seus propósitos.

O professor pode modelar a autoavaliação ao demonstrar como ele se autoavalia e mencionar que ela  é parte importante do processo da aprendizagem, do desenvolvimento pessoal e profissional. Quando se cria um ambiente em que os alunos se sintam confortáveis, sendo honestos sobre suas forças e fraquezas, revela-se a importância do crescimento e do aprendizado contínuo. A autoavaliação é uma habilidade que precisa ser ensinada e praticada. 

Finalizo reforçando que a promoção da autonomia e do engajamento do estudante no cenário educacional contemporâneo é multifacetada e desafiadora. Os métodos ativos de ensino surgem como ferramentas potentes para estimular o protagonismo dos alunos em sua jornada de aprendizagem, conectando-os com situações reais e preparando-os para enfrentar desafios futuros com confiança e competência. No entanto, para que esses métodos sejam eficazes, é necessário que professores e instituições de ensino criem ambientes de aprendizado que incentivem sua independência, ofereçam suporte emocional e promovam habilidades sociais e colaborativas. É vital que as abordagens educacionais sejam adaptáveis e personalizadas, levando em consideração as individualidades de cada aluno, suas necessidades emocionais, estilos de aprendizagem e aspirações de carreira.

 

Leia: Por que temos de ressignificar a universidade

 

Como educadores, é nosso papel não apenas ensinar conteúdos, mas também habilidades de vida, incluindo autoavaliação, tomada de decisões e resolução de problemas. A autoavaliação em particular é uma ferramenta poderosa que pode capacitar crianças, jovens e adultos a assumirem a responsabilidade por sua própria aprendizagem e desenvolvimento. Ao adotar essas práticas, estamos não apenas educando para o presente, mas estamos equipando-os para um futuro em que  possam ser cidadãos autônomos, resilientes e adaptáveis.

Portanto, deixo aqui uma questão reflexiva e desafiadora para os professores: como podemos, em nossas práticas diárias, cultivar um equilíbrio entre fornecer a estrutura e o apoio necessários aos alunos, engajá-los e permitir que eles naveguem pela sua aprendizagem com a independência necessária para se tornarem solucionadores de problemas eficazes e membros proativos da sociedade?

Que tenhamos uma boa resposta para iniciar o próximo ano.

 

Por: Ana Valéria Reis | 20/12/2023


Leia mais

Solidão

Entre a conexão tecnológica e a desconexão social: a solidão e seus...

+ Mais Informações
Metodologias ativas

Como tornar as metodologias ativas eficazes para jovens e adultos

+ Mais Informações
Mercado

O guia definitivo de verdades inconvenientes

+ Mais Informações
Pensamento antecipatório

Reimaginando a educação superior com pensamento antecipatório

+ Mais Informações

Mapa do Site