NOTÍCIA

Redação

Curso EAD para reflorestamento de terras indígenas

Projeto quer valorizar o empreendedorismo e o protagonismo das comunidades tradicionais na recuperação de florestas 

Publicado em 26/01/2024

por Sandra Seabra Moreira

indígenas Módulos trazem as etapas para cuidados com sementes e mudas. O objetivo é capacitar indígenas para o reflorestamento de suas terras (foto: divulgação)

O curso “Semeando florestas em terras indígenas” é resultado de parceria entre o Parlaíndio Brasil, a Embrapa, a Associação Metareilá do Povo Paiter Suruí, o Instituto Raoni e a embaixada da França, e faz parte de projeto que pretende plantar um milhão de árvores por ano em terras indígenas. O lançamento do curso e do projeto dia 24 deste mês.

Na primeira fase, o curso será disponibilizado na plataforma E-campo da Embrapa, com 25 videoaulas e apostilas ilustradas que trazem as melhores práticas de manejo florestal. São quatro módulos de conhecimento: módulo 1 – Coleta, beneficiamento, germinação e armazenamento de sementes; módulo 2 – Instalação de viveiros de pequeno porte; módulo 3 – Produção de mudas de espécies florestais. Ainda este ano, serão lançados mais dois módulos: módulo 4 – Semeando as sementes no campo e o módulo 5 – Plantando as mudas em campo.

 

Mobilização das aldeias
 

A segunda etapa do projeto tem como base o “Plano Mestre de Restauração Florestal de Terras Indígenas”, que permanecerá à disposição das lideranças e associações dos povos indígenas interessados. A ideia é mobilizar dezenas de aldeias e comunidades indígenas, na Amazônia e demais biomas brasileiros, com a criação de brigadas florestais nas comunidades indígenas, para a restauração de seus próprios territórios. 

O cacique Almir Narayamoga Suruí, coordenador executivo do Parlaíndio e cacique geral do povo Paiter Suruí, afirma que “o objetivo é atuar em novas frentes, como projetos de sustentabilidade ambiental, manejo florestal e agrofloresta, valorizando o empreendedorismo e o protagonismo indígena a partir de experiências bem-sucedidas já realizadas por diversos povos indígenas do Brasil”. 

Silvia Massruhá, presidente da Embrapa, afirma que a empresa “valoriza os saberes, a cultura e as formas de organização dos povos indígenas e está empenhada em levar o melhor da ciência para contribuir com o desenvolvimento sustentável dessas comunidades e de seus territórios.”

 

Parcerias estratégicas

 

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemadem), contabilizou 9.200 feridos, 74 mil desabrigados e meio milhão de desalojados em virtude dos eventos climáticos de 2023 no Brasil. 

O relatório síntese de 2023 do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC) – organização científica fundada pela Organização das Nações Unidas (ONU) –, na página 47 do “Sumário para formuladores de políticas”, aponta que “a restauração do solo contribui para a mitigação e adaptação à mudança do clima com sinergias por meio de serviços ecossistêmicos aprimorados e com retornos economicamente positivos e cobenefícios para a redução da pobreza e melhoria dos meios de subsistência. A cooperação e a tomada de decisões inclusivas com os povos indígenas e comunidades locais, bem como o reconhecimento dos direitos inerentes dos povos indígenas, são essenciais para a adaptação e mitigação bem-sucedidas em florestas e outros ecossistemas.”

Ousadia e consciência precisam andar juntas. Ações que levem em conta a necessidade de enfrentar as mudanças climáticas, a insegurança alimentar e diminuição da vulnerabilidade das comunidades mais pobres terão imensa relevância daqui para frente. As parcerias com comunidades tradicionais despontam como estratégias que trazem resultados em várias frentes.  

 

Leia também: Primeira universidade em território indígena começa a ganhar forma

Autor

Sandra Seabra Moreira


Leia Redação

pexels-fauxels-3183197

Procuradores Institucionais ganham rede

+ Mais Informações
pexels-charlotte-may-5966011

Iniciação Científica à docência terá investimento de R$1,8 bilhão

+ Mais Informações
Egresso IES

Onde está o egresso da sua instituição?

+ Mais Informações
Marketing digital

Marketing digital é o mais efetivo para captação de alunos

+ Mais Informações

Mapa do Site