RFM Editores


“É sobre o estudante, sim!”

“O ensino superior precisa de grandes mudanças e reinvenção para oferecer mais oportunidades e mobilidade social para todos”. É isso que Paul LeBlanc defende e é sobre o que falará no Fnesp, em setembro


Paul J. LeBlanc é presidente da Southern New Hampshire University (SNHU). Sob os 18 anos da direção de Paul, a SNHU cresceu de 2.800 alunos para mais de 170 mil e é a maior provedora sem fins lucrativos de ensino superior online do país, e a primeira a ter um programa de graduação baseado em competências. 

Em 2012, a SNHU foi a 12ª na lista das 50 empresas mais inovadoras do mundo da revista Fast Company, a única universidade incluída. No ano passado, em depoimento para Jill Anderson em Harvard EdCast, Paul LeBlanc declarou que muitas faculdades e universidades se desviaram de tomar decisões no melhor interesse dos alunos e, agora, o ensino superior funciona apenas para uma pequena fração da população. 

Leia: BTG Pactual vai sediar final da Olimpíada Brasileira de Economia

Ele acredita que o  ensino superior pode ser transformado; no entanto, com alguma reimaginação e inovação. Ele comenta então sobre o papel do ensino superior. “Precisa abrir oportunidades e promover mobilidade social, e ser um motor de mudança social. Eu fui imigrante. Meus pais estudaram até a oitava série. Nós emigramos quando eu era criança de French Appalachia, uma vila agrícola em New Brunswick, Canadá, e fui o primeiro da minha família a ir para a faculdade, e fiz por meio de financiamento público, acessível e de alta qualidade; nesse caso, o ensino superior transformou a minha vida e a vida dos meus filhos”, conta. 

Instituições voltaram-se para si ao invés de priorizar alunos

paul leblanc new hampshire
Paul LeBlanc. Foto: divulgação/SNHU

Em média, 45% dos alunos que se matricularam concluem o ensino superior nos Estados Unidos. São 37 milhões de americanos que têm dívidas estudantis sem finalizar o curso. Quando se aborda a questão de o ensino superior não ser voltado para todos, LeBlanc diz que tem trabalhado em um projeto para ver como é que sistemas de grande escala que são realmente construídos para elevar as pessoas muitas vezes vêm para desumanizá-las. 

“O que acontece é que os sistemas começam a realmente priorizar a si mesmos. Sobre os alunos que deveriam servir, como isso se desenrola no ensino superior hoje? Se der uma olhada na busca por status, acho que as Harvards, as Yales do mundo impactaram desproporcionalmente nosso senso do que importa”. Paul LeBlanc lembra de Clay Christensen, falecido professor da Harvard Business School, ex-administrador e seu amigo pessoal, dizendo que ele descreveria isso como uma espécie de perseguição de status. “As IES de pesquisa estão conscientes de quantos dólares ganham. Nem tudo disso tem a ver com os alunos. Se você der uma olhada no que construímos em nossos campi em termos de instalações e custo de funcionamento, há uma fluência contínua, na qual todos somos cúmplices, inclusive as famílias”. 

Sistema atual não se sustenta mais

Paul LeBlanc quote

LeBlanc conta que certa vez, num passeio pelo campus, ouviu um pai perguntando sobre a praça de alimentação e quando o filho teria um quarto individual, se eles poderiam conseguir um quarto individual como calouro ou se teria que esperar. “Era meio que uma coisa atrás da outra, e então, no instante seguinte, disse: ‘Mas por que é tão caro?’ Há muitos fatores que contribuem para que o ensino superior [nos EUA] não funcione tão bem quanto deveria. Isso incluiria, como os críticos também apontaram, o tipo de falta de disciplina em torno do controle de custos, o que fazemos para competir uns contra os outros. Todas essas coisas se juntam, mas é sempre o que incentivamos e o que valorizamos.” 

Apenas 13% da população de estudantes universitários americanos tem uma residência em tempo integral e vive em um campus, e por lá ainda se fala sobre ensino superior como se fosse tudo sobre os campi “e realmente não é”, diz LeBlanc. Sobre o crescimento do número de matrículas, ele acrescenta que 80% dos alunos da SNHU chegam com “créditos” de outras instituições, e eles estão voltando para concluir aquele curso que nunca terminaram por várias razões, “porque não ter um diploma universitário, não ter uma credencial pós-secundária nos Estados Unidos, é condenar-se cada vez mais à subclasse economicamente falando”. 

“Construímos um sistema baseado no tempo. A hora de crédito é muito boa para dizer quanto tempo alguém ficou sentado. É muito ruim como medida de aprendizado real. Na verdade, não diz o quanto as pessoas aprenderam; estamos interessados em abordagens de aprendizagem baseadas em competências, que realmente medem o domínio de habilidades e competências, e o que eles sabem, versus simplesmente quanto tempo alguém ficou sentado e atribuir um artefato bastante problemático a isso chamado de nota.”

“Quando passamos para o online, o aluno decide quando vai se conectar porque somos assíncronos. Agora vai para casa depois do trabalho, talvez possa assistir ao jogo de futebol das crianças. Jantam juntos, ajuda com a lição de casa, coloca os pratos na lava-louças. Calça seus grandes chinelos peludos e faz uma xícara de chá, e às 21h30, pelas próximas horas, será um estudante. É por isso que os centros de educação continuada fecharam, porque não foram construídos tão bem quanto o online para trabalhar com essa enorme população de aprendizes adultos”, conclui. ◙

A revista Forbes listou Paul LeBlanc como um dos quinze “revolucionários da sala de aula” e uma das “pessoas mais influentes no ensino superior” para 2016, e a Washington Monthly nomeou-o um dos dez presidentes universitários mais inovadores da América. Em 2018, Paul ganhou o prestigioso prêmio IAA Institute Hesburgh Award for Leadership Excellence in Higher Education, juntando-se a alguns dos mais respeitados presidentes de universidades e faculdades do ensino superior americano.

Esta é uma versão condensada de matéria publicada na edição de maio/2022 da Revista Ensino Superior. Leia o conteúdo completo, assine.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

sete − três =