RFM Editores


Diploma superior garante melhores salários e empregos

Pesquisa Indicadores de Qualidade do Egresso do Ensino Técnico e Profissionalizante foi elaborada pelos economistas Alysson Portella e Sérgio Firpo e encomendado pelo Itaú Educação e Trabalho


A pesquisa teve como base os dados da PNAD (suplemento de 2007 e 2014) e PNAD Contínua (suplemento de 2016-2019), dos quais foram elencados 5 indicadores de qualidade da inserção no mercado de trabalho. Esses resultados mostraram que, em muitos aspectos, a qualidade da inserção produtiva dos jovens egressos do EPT se assemelha mais à dos egressos do ensino superior do que dos egressos do ensino médio regular. Uma grande diferença entre o superior e o técnico é observada apenas em relação à remuneração, que é muito importante, e também um pouco em relação ao nível de execução de atividades rotineiras.

O estudo, o primeiro no gênero, constata que o ensino técnico profissionalizante é muito próximo do ensino superior em relação à participação na força de trabalho e em menor grau em relação à ocupação e formalidade.

Ensino - Grafico_Subindices Ocup Jov-01
RTI: intensidade de tarefas rotineiras.

A grande desvantagem do EPT em relação ao ensino superior ocorre na questão dos salários e na intensidade de tarefas rotineiras (RTI), onde está mais próximo do ensino médio, embora esteja sempre melhor que este.

Outra constatação feita pelos pesquisadores é que em geral os egressos do ensino técnico profissionalizante têm menor probabilidade de trabalhar por conta-própria, tanto em relação ao ensino médio como ao ensino superior. “Porém, quando olhamos dentro dos ‘conta-própria’ que têm CNPJ, vemos que o empreendedorismo dos egressos do ensino técnico profissionalizante é de melhor qualidade que o daqueles com o ensino médio completo, por haver uma proporção maior de empreendimentos formalmente registrados entre egressos do ensino técnico. Para aqueles com ensino superior completo essa taxa é maior ainda”, diz Alysson Portela.

Procura por diploma superior é maior entre quem jovens de nível técnico do que os de nível médio

A pesquisa mostra que os egressos do EPT têm maior chance de estarem matriculados no ensino superior que os egressos do ensino médio tradicional. Segundo os pesquisadores “é possível que o conhecimento técnico e melhor inserção no mercado de trabalho, ainda quando jovem, faça com que egressos do EPT busquem complementar seus estudos adiante, ou tenham melhor condição de fazê-lo”. 

O Itaú Educação e Trabalho disponibilizará esses dados e pretende divulga-los junto a instituições e governos para que, a partir dele, sejam estabelecidas políticas de educação visando atender a uma demanda crescente pelo EPT. Como normalmente são os estados que oferecem isso, o objetivo é ampliar essa discussão. Aqui abre-se também uma oportunidade para que os colégios particulares redimensionem suas vagas entre ensino médio e ensino técnico.

Leia também:

30, 4% dos que possuem diploma superior não sofreram impactos da pandemia

One thought on “Diploma superior garante melhores salários e empregos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezessete + dois =