Nos EUA, rapazes optam pelo trabalho a curso superior

A queda de renda das famílias causada pelo desemprego na pandemia está tirando jovens homens das universidades e os levando para o trabalho. Em contrapartida, mulheres são maioria com 60% no alunado

SHARE
,
homens campi
“De certa forma, perdemos uma geração de homens para a covid-19″, lamenta professora (foto: Pexels)

WORCESTER, Massachusetts – Quando fala com seus colegas sobre ir para a faculdade, Debrin Adon diz que a conversa sempre se resume a uma coisa: “Estamos mais focados no dinheiro”.  Adon, 17, é aluno do último ano de uma escola pública local. “Tipo, recebendo aquele contracheque, sabe?” Considerando que, “se eu for para a faculdade, terei que pagar e assumir todas as dívidas”, conta. Esse é um dos muitos motivos pelos quais o número de homens que vão para a faculdade vem há anos atrás do número de mulheres. E a pandemia da covid-19 desequilibrou fortemente a proporção.

Leia: Universidades inglesas se afastam da população

Enquanto as matrículas no ensino superior em geral caíram 2,5%, ou em mais de 461.000 alunos, em comparação com de 2019, o declínio entre os homens foi sete vezes mais acentuado que o verificado entre as mulheres, de acordo com uma análise de números da The National Student Clearinghouse Research Center.

“De certa forma, perdemos uma geração de homens para a covid-19”, disse Adrian Huerta, professora assistente de educação na Universidade do Sul da Califórnia. “É uma crise nacional”, disse Luis Ponjuan, professor associado de administração de ensino superior na Texas A&M University.

Adon, que frequenta a University Park Campus School, planeja enfrentar as adversidades e ir para a faculdade. Decidiu isso depois de perceber que seus pais, que imigraram da República Dominicana para os Estados Unidos, querem uma vida melhor para ele. Sua mãe está desempregada agora e seu pai dirige uma barbearia.

Ele pretende um diploma em ciência da computação e descreveu, enquanto estava do lado de fora, no asfalto que cerca a escola de 135 anos e tijolos vermelhos, que mudou para um ensino totalmente virtual por causa da pandemia. “Sabe quando você está no chuveiro e só pensa na vida?”. Esse tipo de epifania aconteceu com muitos outros jovens.

Proporções invertidas

As mulheres agora representam quase 60% das matrículas em universidades e faculdades e os homens pouco mais de 40%, relata o centro de pesquisa. 50 anos atrás, as proporções de gênero eram invertidas. Contribuiu também para isso a abertura de empregos para jovens de escolas de ensino médio de Worcester, em supermercados, na Amazon, FedEx e outras empresas de entrega, disse Lynnel Reed, conselheira-chefe da University Park, onde quase 2/3 dos alunos são considerados economicamente desfavorecidos.  A escola fica em um bairro de restaurantes fast-food, lojas de bebidas, lojas de carros usados e residências de três andares – casas geralmente compartilhadas por três famílias, uma em cada nível, que são um produto básico da urbanização local.

“Como você vai embora para a faculdade e deixa sua família lutando, quando sabe que se apenas trabalhasse, poderia ajudá-la agora com as necessidades diárias?”, indagou Reed. Essa atividade de entregas é uma atração maior para os homens jovens do que para as mulheres, disse Derrick Brooms, sociólogo da Universidade de Cincinnati. “Isso se alinha com a percepção de que ser homem é ser autossuficiente. É um pouco diferente para as meninas. Estamos ensinando a eles como investir para obter retornos ainda maiores no futuro”.

Chances de encontrar caminho de volta ao ensino superior são mínimas

A professora Adrian Huerta diz que “faz mais sentido para eles agora apenas dizer: ‘vou fazer uma pausa porque minha família precisa desse dinheiro’, mas mesmo que os rapazes decidam ir para a faculdade mais tarde, a história mostra que suas chances de realmente voltarem para o ensino superior são provavelmente mínimas”.

Apesar do fascínio do contracheque versus contrair dívidas e passar anos buscando um diploma, a realidade é que “muitos desses jovens de 17 ou 18 anos acabam trabalhando em turnos de 12 horas, se casam, compram um caminhão, conseguem uma hipoteca e, aos 30, seus corpos estão quebrados”, disse Ponjuan. “E agora eles têm uma hipoteca, três filhos para alimentar e aquele caminhão, sem nenhuma ideia do que fazer a seguir”.

“Como você vai embora para a faculdade e deixa sua família lutando, quando sabe que se você apenas trabalhasse, poderia ajudá-los agora mesmo com as necessidades diárias?”

Diz aluno do último ano do ensino médio

Parar de estudar depois do ensino médio não limita apenas as opções dos homens, isso ameaça aumentar ainda mais as divisões socioeconômicas e políticas, disse Brooms. Nem todo mundo precisa ir para a faculdade. Uma carreira mais rápida e menos dispendiosa e uma educação técnica podem levar a empregos bem pagos em profissões especializadas, automação e outros campos.

No entanto, graduados com diploma de bacharel geralmente ganham mais do que pessoas com credenciais menores. E a pandemia mostrou que pessoas sem diploma são mais vulneráveis ​​às crises econômicas. O desemprego para eles, em todo o país, aumentou mais de duas vezes mais rápido do que para pessoas com diploma de bacharel, descobriu o Federal Reserve Bank de San Francisco.   

Racismo e desvalorização

Enquanto isso, os tiroteios da polícia visando a população negra e a indignação resultante disso, deixaram alguns jovens negros e hispânicos, que ainda estão no ensino médio, “privados de direitos civis, quase a ponto de se sentirem invisíveis, e que a comunidade não valoriza quem são, no momento em que estão desenvolvendo suas próprias identidades”, disse Ponjuan.  Não sentem que estão sendo valorizados como homens. Então eles pensam: ‘por que tentar quando todo mundo me vê como um bandido, como um delinquente, quando todos assumem o pior de mim em vez de assumir o melhor de mim?’”

Pedro Hidalgo, outro aluno do University Park, disse que nunca teve essa convicção de que poderia ir para a faculdade. Então, “os professores do ensino médio realmente me ajudaram a perceber que sou mais do que pareço pensar que sou às vezes. Eles apenas me ajudaram a ficar progressivamente mais confiante com minhas habilidades, não apenas como estudante, mas como pessoa”. Agora, Hidalgo, com 18 anos, cujo irmão mais velho começou mas nunca terminou a faculdade, planeja se formar em psicologia e se tornar um terapeuta clínico. Ele disse que tomou essa decisão depois de fazer cursos de dupla matrícula oferecidos por sua escola em colaboração com a vizinha Clark University.

Cursos de dupla matrícula

“Quando fazem aquelas aulas de nível universitário, eles percebem ‘ok, sabe de uma coisa? Eu posso fazer isso’”, disse Kellie Becker, conselheira-chefe da North High School, nas proximidades. “Isso facilita a transição para a faculdade e aumenta sua confiança”, afirma. Foi o programa de dupla matrícula que atraiu Abdulkadir Abdullahi, 18, um estudante da North. “Eu não achava que estava indo para a faculdade. Não achei que pudesse ser útil para mim no mundo real”, disse Abdullahi, filho de pai solteiro que é carteiro. “Eu prefiro sair com meus amigos e relaxar”, conta o jovem. Então, uma irmã mais velha foi para a faculdade e Abdullahi fez um curso de dupla matrícula. “Eu estava tipo, ‘oh! eu realmente poderia fazer isso!’”, disse ele. “Eu sempre pensei que a faculdade seria escrever ensaios de 20 páginas a cada duas semanas, passando a noite acordado”, relata. Agora, planeja se formar em sociologia.

Alguns de seus colegas de classe ainda têm restrições, disseram Adon, Abdullahi e Hidalgo. “Eles não acham que são inteligentes o suficiente”, disse Adon. “Eles não acreditam que podem fazer isso. Duvidam um pouco de si mesmos por causa de sua vida e o que passaram, e como são vistos. Nessas classes de dupla matrícula há mais meninas do que meninos. “É intimidante, mas não quer dizer ser a coisa errada”.

Os jovens parecem ter períodos de atenção mais curtos, disse Abdullahi. “Há mais distrações para os rapazes. O cara é sempre o palhaço da turma. Acho que eles simplesmente perdem a motivação”. E existem pesquisas que comprovam isso. Os meninos têm maior probabilidade do que as meninas já no ensino fundamental de serem retidos, descobriu um pesquisador da Brown University. Eles têm quase 9% menos probabilidade de concluir o ensino médio, de acordo com o Departamento de Educação dos Estados Unidos. 

Investimento nos rapazes é menor do que nas moças

“Os meninos percebem que os professores e conselheiros não estão investindo neles da mesma forma que investem nas meninas”, disse Huerta. “Os professores e orientadores estão mais preocupados em garantir que os meninos estejam fazendo o básico – comportando-se em sala de aula – do que em garantir que eles estejam prontos para a faculdade”, revela a professora. Isso acontece há tanto tempo, que as matrículas na Worcester State University, do outro lado da cidade em relação à University Park Campus School, agora são mais de 60% de mulheres.

Além de todos os outros problemas causados ​​pelo desaparecimento em massa de homens da faculdade, isso é um grande problema para as universidades e faculdades que lutam para preencher vagas, disse Ryan Forsyth, vice-presidente para gerenciamento de matrículas do estado de Worcester. Ele também vê a pandemia como um incentivo a mais para jovens do sexo masculino do último ano do ensino médio a pularem direto para o mercado de trabalho, “em vez de ver o valor de entrar em uma faculdade para um diploma de dois ou quatro anos para realmente investir em si mesmos”, disse Forsyth, no campus frio e quase vazio.

Parece improvável que isso mude em breve, disse Ponjuan. “Esta pandemia apenas destaca a verdade tácita de que está criando soluções de curto prazo para esses jovens, mas não oportunidades de longo prazo”, disse ele.  Eles não serão capazes de avançar. Isso criou uma falsa sensação de segurança apenas entregando pacotes”.

Esta história sobre homens na faculdade foi produzida pelo The Hechinger Report , uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos, em colaboração com GBH Boston. Reportagem adicional de Kirk Carapezza.

Leia também:

Política é o “maior obstáculo” para estudantes estrangeiros

Artigos relacionados

<

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN