my site my site my site

Universidades inglesas se afastam da população

Pesquisa revela que fatores como intenção de voto, classe, idade e formação educacional interferem na opinião pública sobre o valor do ensino superior

SHARE
,
Univeridades_Kings College
King’s College, Londres (Foto: Envato Elements)

Mais de 1/4 do público gostaria que a proporção de pessoas que frequentavam as universidades fosse reduzida em relação ao seu nível atual, revela pesquisa. Elaborada pelas instituições londrinas, dedicadas à investigação do ensino superior, a Fundação UPP e o Instituto Hepi, entrevistaram mais de 2 mil adultos na Inglaterra revelou que 27% prefeririam que uma proporção menor da população frequentasse a universidade do que atualmente. Em comparação, 17% disseram que gostariam de uma proporção maior e 36% disseram que deveria permanecer o mesmo.

Leia: Times Higher Education 2021: Brasil lidera ranking com 67 IES

A pesquisa sobre as atitudes do público em relação ao ensino superior constatou que, quando discriminada por idade, havia uma diferença marcante nas atitudes em relação à expansão ou contração do ensino superior. O estudo mostrou que 43% das pessoas com mais de 65 anos, e 37% daqueles que têm entre 55 e 64 anos, dizem que deveria haver menos pessoas frequentando a universidade do que atualmente, e 25% daqueles com idades entre 45 e 54 anos, disse o mesmo. Isso foi comparado com 15% para ambos os grupos de 18 a 24 e 25 a 34 anos, e 1/4 deles no último grupo, acredita que deveria haver uma proporção maior.

Pressão levou a redução do padrão de qualidade de algumas IES

A pesquisa também descobriu que pouco mais da metade, 54% dos entrevistados, acreditam que a sociedade atualmente valoriza muito a educação universitária. O número de jovens matriculados em universidades na Inglaterra tornou-se uma questão polêmica nos últimos anos, com o ministro das universidades declarando no ano passado que a pressão para que mais alunos passassem, levou a uma redução nos padrões de algumas instituições.

A maneira como as universidades falam sobre seu trabalho e sua mudança de papel na sociedade é muito importante. Para conquistar corações e mentes, seus governadores, funcionários e alunos devem usar uma linguagem inclusiva, fazer mais para explicar sua contribuição para o país e convidar mais pessoas para o campus, diz Nick Hillman

O estudo também analisou outra questão polêmica no ensino superior: “descolonizar” o currículo. Ele descobriu que quase um terço do público não apoia a descolonização do currículo, em comparação com quase um quarto que apoia. Ele também descobriu que 26% das pessoas acreditam que o ponto de vista ocidental deve ser priorizado, em comparação aos 20% que discordaram, embora 43% não concordem e nem discordem.

No entanto, a pesquisa mostrou que, se a linguagem que enquadra a conversa mudou, também mudaram as atitudes: 67% concordaram que as universidades deveriam ensinar os alunos sobre pessoas, eventos e assuntos de todo o mundo e garantir que todos os grupos sejam representados de forma justa.

Opiniões divergem por visão político-ideológica

Falhas políticas também foram reveladas no que diz respeito às atitudes em relação às universidades. A pesquisa descobriu que as pessoas que votaram tanto no partido conservador quanto na saída da União Europeia (UE), tinham opiniões menos positivas sobre as universidades do que aquelas que votaram no Partido Trabalhista ou quiseram permanecer no bloco. 35% dos eleitores de licença concordaram que as universidades têm um impacto positivo na maneira como as coisas estão indo no país, em comparação com 53% dos eleitores remanescentes.

A divisão entre os eleitores conservadores e trabalhistas foi menos pronunciada, com 41% e 49%, respectivamente, acreditando que as universidades têm um impacto positivo, e 1/4 dos eleitores conservadores pensando que as universidades estavam “indo na direção totalmente errada”, em comparação com 18% dos partidários do Trabalhista. 

Resultados causam espanto nos especialistas

Nick Hillman, diretor do Hepi, disse que os resultados demonstram que as universidades precisam se comunicar melhor com o público em geral, pois foi “chocante” que cerca de 1/3 das pessoas na Inglaterra nunca tenham visitado uma universidade inglesa e outros 32% não tenham visitado uma nos últimos cinco anos. Isso aumentou para aqueles nos grupos socioeconômicos mais baixos, com 53% relatando que nunca haviam visitado uma universidade inglesa.

“A maneira como as universidades falam sobre seu trabalho e sua mudança de papel na sociedade é muito importante. Para conquistar corações e mentes, seus governadores, funcionários e alunos devem usar uma linguagem inclusiva, fazer mais para explicar sua contribuição para o país e convidar mais pessoas para o campus”, disse.

Contudo, o estudo revelou ainda que 84% estavam orgulhosos de que uma vacina contra a covid-19 tivesse sido desenvolvida por uma universidade britânica, e 72% concordaram que a pesquisa universitária era uma das melhores coisas produzidas no Reino Unido como um país.

No geral, mais pessoas (33%) disseram que obter um diploma era importante, em comparação com aqueles que disseram que não era importante (23%) e quando questionados se gostariam de ir para a universidade se estivessem deixando o ensino médio agora, 46% disseram que gostariam, enquanto 26% disseram que não.

Richard Brabner, diretor da Fundação UPP, disse que a pesquisa mostra que “a maneira como falamos sobre questões contenciosas, como a descolonização, pode estreitar ou ampliar o apelo. Esta é uma lição importante. Existem lacunas no apoio ao setor com base na intenção de voto, idade e classe. Se essas lacunas aumentarem, as universidades terão um futuro difícil”, disse ele. 

Com informações de Ana McKie, da Times Higher Education

Leia também:

Domínio do inglês por docentes universitários é destaque de relatório

Governança corporativa: boas práticas melhoram desempenho das IES

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN