Por que mudar a formação docente

O currículo dos cursos de Pedagogia não atende às necessidades de uma formação integral que corrobore para transformar o país pela educação

SHARE
, / 1

Por Leonora Pilon Quintas, Denise Elisabeth Himpel e Marcia Maria de Freitas Hauss*

Para iniciar o diálogo sobre o tema, vamos começar com uma pergunta: você já viu ou vivenciou uma situação na qual o professor aponta um erro ao aluno e esse sai apagando tudo e reproduz a resposta dada pelo professor?

Leia: José Pacheco: aula não ensina, prova não avalia

Essa é uma exemplificação bastante simples e corriqueira: a resposta da “verdade” expressa pelo professor cria um abismo entre o que o estudante sabe e aquilo que deveria saber.

Esse cenário educacional bastante comum nas salas de aula traz consigo uma história alicerçada na função da educação que por muito tempo manteve o professor no centro das relações ensino-aprendizagem, único detentor dos saberes e delegando o insucesso exclusivamente ao aluno. Não se trata aqui de culpar os envolvidos, mas de situar claramente a função e responsabilidade de cada um.

Então, resgatamos um conceito de suma importância, a autonomia. O estudante deveria ser capaz de justificar suas escolhas autonomamente, em detrimento daquela resposta produzida pela obediência heterônoma.

Muitos autores da literatura e experiências nacionais e internacionais apontam que, para a construção do conhecimento, o estudante necessita agir sobre e com os objetos da aprendizagem, assumindo uma postura investigativa sobre os seus próprios mecanismos para aprender. Esse comportamento possibilita ao estudante ser o protagonista do seu percurso formativo.

Nesse sentido, cabe ao educador ajudá-lo a transformar as estratégias intuitivas em conhecimento explícito para desenvolver a capacidade de coordenar e adaptar os conhecimentos construídos em novas situações.

professor formação docente
Foto: Shutterstock

Mediante essa intenção, a aprendizagem não pode ocorrer segmentada por definições e modelos, mas na atividade de resolução de problemas enquanto metodologia para a construção das diferentes ideias que compõem um conceito.

Leia: Os grandes desafios da formação de professores

Além disso, o conteudismo se distancia cada vez mais das tendências atuais: um ensino estruturado por habilidades e competências. O modelo disciplinar isoladamente implica uma formação fragmentada inviabilizando a capacidade de articular e sintetizar os saberes de forma interdisciplinar.

Nessa perspectiva, mais difícil ainda é formar um professor capaz de lidar com gerações tão diferentes dele mesmo e com um currículo escolar no qual predomina a dissonância entre teoria e prática. E quando se trata da licenciatura em Pedagogia no ensino superior, essa perspectiva é alarmante.

Convém salientar uma pesquisa de Bernardete Gatti (2010) que, ao estudar os currículos de Pedagogia e algumas licenciaturas, indicou que apenas 0,6% deles estavam relacionados ao fazer docente.

Também ressaltamos o relatório publicado pela ONG Todos pela Educação denominado “Educação Já” no qual a “Pesquisa Profissão Docente” indica que 71% dos professores afirmam a formação inicial no ensino superior ser insuficiente para a prática como docente.

Leia: Projeto de professor de Ciências Biológicas leva conhecimento para comunidades rurais e indígenas

Quando o currículo brasileiro é comparado torna-se visível o não atendimento às necessidades de uma formação integral que corrobore para transformar o país pela educação. Então, como deve ser o currículo da licenciatura para formar professores e estudantes protagonistas?

Acreditamos que esse caminho passa pelo desenvolvimento do protagonismo do aluno, tendo seus professores atuando como mentores e mediadores na construção do conhecimento, como é o caso da proposta curricular adotada no Grupo Ânima em seu novo curso de Pedagogia.

São exemplos que merecem ser observados. Fato é que tais indicativos apresentados já nos colocam algumas possibilidades. Agora, temos pela frente o desafio de concretizá-lo.

*Leonora Pilon Quintas, Denise Elisabeth Himpel e Marcia Maria de Freitas Hauss atuam no grupo Ânima, onde exercem as funções de gerente de Avaliação, gerente do Ensino Híbrido e gerente da Formação Docente, respectivamente.

Leia também:

As novas pedagogias precisam comprovar sua eficácia

Licenciaturas precisam ser menos teóricas, defende especialista

Artigos relacionados

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN