“A iniciação científica mudou a minha vida”

Ao estudar a fragilidade da democracia frente às fake news, a estudante Lara Alexsandra de Paula descobre o valor da pesquisa feita na graduação

SHARE
, / 2

Estudar sobre a fragilidade da democracia frente à onda da desinformação nas últimas eleições presidenciais no Brasil e EUA, por meio da iniciação científica, mostrou novas perspectivas para os graduandos da Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM), Guilherme Ribeiro, Lara Alexsandra de Paula e Ricardo Biaso. “A pesquisa é importante porque ela muda até o nosso caráter. Nosso pensamento político e posicionamento dentro da sociedade, além de nos fomentar a alcançar nossos objetivos de mestrado e doutorado”, explica Ricardo.

Leia: Apesar da falta de bolsas, milhares de alunos de graduação se interessam pela pesquisa científica

Para Lara, o estudo fez os três de fato exercerem seus papeis de cidadãos ao enxergarem a política além das eleições. “Nós exercemos nosso papel como cidadão ao pesquisar a veracidade das informações e entender como a nossa democracia funciona. Isso foi a maior contribuição para minha vida pessoal”, afirma a estudante, cuja pesquisa a direcionou para uma nova frente, agora sobre a liberdade de expressão e fontes verídicas.

iniciação científica
Da esq. para a dir. Lara Alexsandra de Paula, Guilherme Ribeiro e Ricardo Biaso

Os três estão no 4º ano de Direito e também sentem que a pesquisa pode contribuir para conscientizar a população sobre o impacto da desinformação nas eleições e com isso, fortalecer a democracia.

Valorização

A pesquisa foi apresentada no 19º Congresso Nacional de Iniciação Científica (Conic), organizado pelo Semesp na Faculdade Anhembi Morumbi, campus Vila Olímpia. Durante dois dias, quase 2 mil trabalhos foram avaliados, dos quais 10 foram premiados (conheça os vencedores abaixo).

Leia: Por que incentivar os alunos a fazer iniciação científica?

educação inclusiva pesquisa
As futuras pedagogas fizeram as pesquisas com professores de Curitiba

Para selecionar os projetos, o Conic recebeu apoio de avaliadores, entre eles Fernando Torres, doutorando em Engenharia Biomédica na Faculdade Anhembi Morumbi. O avaliador explica que eles trabalham em cima de quatro critérios: relevância, domínio, objetividade e segurança nas respostas. Em relação à importância da iniciação científica para o país, Torres defende que “se a gente pretende mudar de patamar, sem dúvida a pesquisa é o pilar fundamental”.

Variedade de temas

Os professores do ensino infantil e fundamental chegam à sala de aula despreparados para uma educação inclusiva, uma vez que a disciplina não ganha destaque na grade curricular.

Também faltam políticas públicas na formação docente e continuada que torne obrigatório o ensino do tema para o atendimento de alunos com deficiência. Afinal, a escola é cada vez mais plural e o professor precisa estar apto para abraçar as diferenças. Esta é a constatação da pesquisa de iniciação científica das estudantes de Pedagogia da Faculdade de Tecnologia de Curitiba (Fatec-PR), Bruna Cenedeze, Clariane Deda, Greice Kelly Braga, Loana Becker, Maria Claudia Mezzomo e Marize Souza.

Já a pesquisa de Guilherme Henrique Pompilio tratou da arquitetura de softwares baseados em microsserviços, em outras palavras, para cada função uma espécie de bloco independente do outro é criado, contrariando a construção monolítica que concentra tudo em um único espaço e quando há um problema o todo é prejudicado. Cursando o 3º ano de Sistemas de Informação no Centro Universitário Eniac, em Guarulhos, SP, o estudante atua como programador desde o 2º ano e hoje já se encontra no nível pleno – comprovando que a área está aquecida.

Direitos humanos

Neste ano o Conic destacou a importância dos direitos humanos e o trabalho da estudante de Psicologia da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), Thaily Costa, comprova o quanto a sociedade ainda precisa avançar em termos de empatia. Ao desabafar com uma psicóloga sobre um caso em que sofreu racismo, Thaily escutou da especialista que ela estava se colocando no papel de vítima. A psicóloga também declarou já ter sofrido racismo, mesmo sendo branca.

Sob o título O racismo como sofrimento psíquico: atuação de psicólogos no atendimento da população negra, a estudante do 4° ano de Psicologia escutou outros casos, como os de psicólogos que defendem que o racismo não existe. “Psicologia é a área da compreensão. Como pode o profissional não apoiar o outro?”, indaga Thaily, que afirma que a pesquisa está a transformando. “Me atualiza enquanto profissional e me prepara para a vida que é racista”, desabafa.

Leia: Stanford aposta em formação de circuito aberto

Confira a lista dos vencedores do 19º Conic:

Prêmios Especiais

Melhor trabalho concluído

Área/Subárea: Ciências humanas e sociais/Direito

Autor: Bianca Amaral Rodrigues

Trabalho: Normas de proteção à mulher contra a violência baseada no gênero, nos países-membro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – Um estudo comparado

IES: Universidade de Mogi das Cruzes (UMC)

Incentivo à preservação ambiental

Área/Subárea: Ciências biológicas e saúde/Ecologia

Autor: Beatriz Barbosa de Souza

Trabalho: Avaliação de sintomas foliares visíveis induzidos por ozônio na vegetação urbana do município de Guarulhos – SP

IES: Universidade Universus Veritas Guarulhos (Univeritas UNG)

Os vencedores na categoria “Concluído” foram:

Ciências biológicas e da saúde

Subárea: Biomedicina

Autor: Loren Monielly Pires

Trabalho: Efeitos da associação da cisplatina com extrato etanólico de própolis verde na linhagem celular A549: uma análise de morte celular

IES: Universidade de Franca (Unifran)

Ciências exatas e da terra

Subárea: Física

Autor: Caio Eduardo do Prado Ireno

Trabalho: Estudo do potencial de aplicação do SNO2 como camada de bloqueio em células solares

IES: Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens)

Ciências humanas e sociais

Subárea: Direito

Autor: Bianca Amaral Rodrigues

Trabalho: Normas de proteção à mulher contra a violência baseada no gênero, nos países-membro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – Um estudo comparado

IES: Universidade de Mogi das Cruzes (UMC)

Ciências sociais aplicadas

Subárea: Administração

Autor: Bruno Cioffi

Trabalho: As fases do processo de compra frente as novas tecnologias digitais – Identificação do momento zero (ZMOT) no processo de decisão de compra

IES: Universidade Anhembi Morumbi (UAM)

Os vencedores na categoria “Em Andamento” foram:

Ciências Biológicas e da Saúde

Subárea: Odontologia

Autor: Thamires Amaral Barbosa e Audrey Lopes Irie

Trabalho: Estudo da fisiopatologia da artralgia da articulação temporomandibular

IES: Centro Universitário Newton Paiva

Ciências exatas e da terra

Subárea: Computação e informática

Autores: Anthony Marques Gianelli e Marcos Paulo Lopes

Trabalho: O uso dos jogos digitais como ferramenta para auxiliar o ensino infantil escolar e financeiro

IES: Centro Universitário de Jaguariúna (FAJ)

Ciências humanas e sociais

Subárea: Direito

Autor: Laiz Manozi Prestes

Trabalho: O reflexo da cultura do estupro na atuação do direito penal brasileiro nos casos de violência sexual sofrida pelas mulheres vítimas de seus parceiros no âmbito doméstico

IES: Centro Universitário Eurípedes de Marília (Univem)

Ciências sociais aplicadas

Subárea: Ciências econômicas

Autor: Grabiele Turra Sant’anna

Trabalho: O discurso do agronegócio: os desafios, as tendências e a necessidade de mudança do atual modelo para a manutenção e avanço do mercado agrícola brasileiro

IES: Centro Univesitário Moura Lacerda (CUML)

Leia também:

Ex-reitora explica como criou nos EUA universidade que busca combater desigualdade

Por que investir na felicidade dos alunos

Artigos relacionados

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN