O que um jovem de 18 anos quer?

Se parece uma ideia óbvia atrair alunos dando-lhes o que eles querem, saiba que muitas instituições ainda não estão fazendo isso

SHARE
,

PORTLAND, Maine – Logo após a entrada da antiga loja de departamentos que agora serve como casa do Maine College of Art & Design, há uma sala comprida com pé-direito alto na qual os alunos dos programas de jogos e animação trabalham.

O que diferencia essa sala não são apenas os esboços coloridos e storyboards em todos os lugares, as prateleiras de bonecos de ação ou a tecnologia onipresente. É que não há paredes e as carteiras e outros móveis podem ser facilmente reorganizados conforme os interesses dos alunos mudam.

É uma ilustração de como esta pequena faculdade está se adaptando às realidades demográficas que vêm diminuindo as matrículas no ensino superior há 10 anos e que só pioraram desde o início da pandemia, com taxas de natalidade em declínio, frustrando as esperanças de qualquer recuperação.

Leia: Apesar de surto da variante Ômicron, campi nos EUA negam obrigatoriedade da vacina

À medida que a queda de matrículas se torna uma crise existencial, o que aconteceu nesta escola de arte de quase 140 anos, mostra que faculdades e universidades podem, de fato, se transformar, adicionando rapidamente programas em resposta à demanda de alunos e empregadores, conectando melhor as ofertas acadêmicas a oportunidades de força de trabalho e geralmente desafiando uma cultura que resiste a mudanças.

“Os números são inegáveis”, disse Ian Anderson, vice-presidente de assuntos acadêmicos e reitor. “Você tem que inovar para sair desse penhasco demográfico.”

Nos últimos cinco anos, mais de 60 faculdades foram fechadas, fundidas ou anunciaram que serão fechadas, incluindo pelo menos 13 desde o início da pandemia.

Portanto, a Maine College of Art & Design (MECA & D.) relaxou e fez algo que o ensino superior demorou a fazer: dar aos alunos o que eles querem.

“Todos esses alunos querem animação e jogos. Então, vamos dar ”, disse Laura Freid, a presidente da faculdade. “Todos nós precisamos saber: ‘O que um jovem de 18 anos quer?’”

Mudar, criar e inovar

A demanda por artes e ofícios tradicionais caiu em todo o país, de acordo com a Associação Nacional de Escolas de Arte e Design, enquanto o interesse em design de jogos e animação disparou. Há 10 anos,  30% dos alunos da MECA&D eram formados em design, agora 60% o fazem, mostram os dados da faculdade. Portanto, a escola ampliou esses programas e criou espaços como a sala de trabalho flexível que pode se ajustar rapidamente a futuras mudanças de interesse.

jovem
“Todos esses alunos querem animação e jogos. Então, vamos dar ” – Laura Freid, presidente da MECA & D. (Foto: Envato Elements)

Ela imprimiu materiais de recrutamento para candidatos em potencial que, em vez de divulgar os cursos de graduação, listavam as vagas que os graduados iriam conseguir e mudou seu nome em agosto, acrescentando “& Design”.

A faculdade absorveu o Salt Institute for Documentary Studies, que ensina os assuntos quentes de podcasting e documentário, e acrescentou uma especialização em música – a única especialidade em música em uma escola de arte independente, diz a MECA & D – e outra especialização em empreendedorismo.

“Há muito mais atenção em como eles usarão seus diplomas no mundo”, disse Jessica Tomlinson, diretora do escritório de aconselhamento de carreira.

A faculdade também iniciou o que chama de “& Lab”, um curso ministrado em outro espaço aberto com paredes rolantes e telas dobráveis, no qual os alunos resolvem problemas do mundo real e obtêm experiência prática, criando trabalhos que podem agregar a seus portfólios. Como seu primeiro projeto, o & Lab criou a nova apresentação gráfica da faculdade em conjunto com a mudança de nome.

Criatividade não tem hora

MECA & D agora fica aberta 24 horas por dia, sete dias por semana, um passo aparentemente pequeno que reconhece as limitações de tempo da vida real dos alunos, mas que em outras instituições Freid disse que pode ser visto com desdém.

“Na maioria desses belos campi, as luzes não estão acesas entre 20h e 10h”, disse ela. “Mas a criatividade não vem apenas às 10h. Nossos alunos adoram estar conectados às ferramentas de que precisam, quando precisam”.

As matrículas passaram de menos de 330 na última recessão para quase 500 agora, e aumentaram 15% nesta queda, mostram dados federais e universitários. Isso em um momento em que outras instituições de ensino superior viram seus números cairem 3,2% , em cima de uma queda de 3,4% no ano anterior, de acordo com o National Student Clearinghouse Research Center.

“Todos nós precisamos olhar para o que um jovem de 18 anos quer”

Laura Freid, presidente, Maine College of Art & Design

Se parece uma ideia óbvia atrair alunos dando-lhes o que eles querem – “modernizar o portfólio de programas para responder às necessidades reais do mercado”, como o diretor-gerente do Huron Consulting Group, Peter Stokes, especializado em ensino superior, colocou, isso muitas outras faculdades e universidades ainda não estão fazendo isso.

Como o número de matrículas em outros lugares continua diminuindo, “há muita discussão em andamento e outras equipes de liderança sênior estão enfrentando as grandes questões”, disse ele. “Isso não significa que o corpo docente esteja pronto [para a mudança] e não significa que os ex-alunos estejam prontos, então ainda existem todos os tipos de lombadas e obstáculos no caminho.”

Entre alguns desses constituintes, disse ele, “ainda não há o reconhecimento generalizado de que necessitamos cortar, reinvestir, precisamos nos concentrar nisso e não naquilo”.

Essa falta de urgência persiste apesar do fato de que, nos últimos cinco anos, mais de 60 faculdades foram fechadas, fundidas ou anunciaram que vão fechar, incluindo pelo menos 13 desde o início da pandemia.

Ainda assim, a MECA & D e um punhado de outras instituições que estão fazendo mudanças no atacado parecem ser exceções a essa cultura de inércia de longa data.

Abordagem radical

Outra escola pequena, a Hartwick College, particular, em Nova York, oferece um estudo de caso semelhante. Lá, os problemas de matrícula foram agravados pela bolsa Excelsior do estado, que oferece aulas gratuitas em universidades públicas para residentes que atendam a determinados cortes de renda. 

Quando o programa entrou em vigor em 2017, as matrículas de Hartwick caíram quase 14% , mostram os dados da faculdade – o suficiente para forçar “uma mudança de ponta a ponta”, disse a presidente Margaret Drugovich.

“Vimos a escrita na parede”, acrescentou Drugovich. “Sentamos e dissemos que precisávamos de um plano muito mais ousado do que mordiscar as bordas.”

O resultado é uma nova abordagem que Drugovich chama de “radical” para uma pequena faculdade de artes liberais: um foco na empregabilidade de pós-graduação chamado FlightPath, em que os alunos, desde o momento que chegam, são colocados em aulas e experimentam dentro e fora do campus para avaliar seus pontos fortes, descobrir seus objetivos, obter experiência de trabalho, criar currículos digitais e interagir com ex-alunos, tudo sob a supervisão de uma equipe de orientação que inclui coaches de carreira e sucesso e um conselheiro docente.

“Os números são inegáveis. Tem que inovar para sair desse penhasco demográfico”

Ian Anderson, vice-presidente de assuntos acadêmicos e reitor, Maine College of Art & Design

Isso também é o que os alunos dizem que querem. Oito em cada 10 alunos do primeiro ano dizem que melhorar suas chances de conseguir um bom emprego foi muito importante para eles – a principal entre as razões para ir para a faculdade – de acordo com uma pesquisa nacional realizada por um instituto de pesquisa da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles).

Empregabilidade

Existem outras faculdades e universidades “onde a liderança entende que precisam apertar esses botões, mas há professores que ainda acreditam que é arte pela arte ou educação pela educação e não é seu trabalho conseguir empregos”, disse Stokes. “Mas os pais estão absolutamente olhando para esses resultados”.

As matrículas em Hartwick começaram a aumentar lentamente , mostram os números da faculdade.

De volta à MECA & D, uma aluna de um curso de animação apresenta o storyboard que ela desenhou para seu curta-metragem, enquanto colegas vestindo camisetas de super-heróis e cabelos fluorescentes aguardam sua vez.

“A maioria desses empregos ainda está aqui nos Estados Unidos”, disse o instrutor, animador Adam Fisher, gesticulando da porta da sala em que todas as cadeiras estavam ocupadas. “É definitivamente uma área que queremos capitalizar”.

No andar de cima, em um laboratório de áudio, o chefe do Salt Institute, Isaac Kestenbaum, está dizendo a mesma coisa sobre o programa de podcasting. O áudio obviamente está tendo um momento agora. Há uma demanda real. “Muitos estudantes querem levantar vozes que normalmente não são representadas”, contando histórias sobre raça e mudança climática. 

Aproveitamento do espaço

Embora as pequenas faculdades tenham enfrentado alguns dos maiores desafios com o declínio das matrículas, seu tamanho significa que podem se adaptar mais rapidamente, disse Freid, que é incomum entre os presidentes de universidades por ter um MBA.

“Eu não gosto de um campus enorme. Eu não queria ter que viajar 20 minutos para minha próxima aula”, falou Lucas Cadena, um estudante do segundo ano do MECA & D de Dallas, que disse que também aprecia as aulas particulares, aconselhamento e orientação.

“Parecia que as outras escolas de arte eram grandes e impessoais e focadas em um meio”, disse Annabelle Richardson, uma estudante de 21 anos de Austin, Texas, enquanto trabalhava no & Lab. “Aqui existem regras, mas não existem tantas regras assim”.

Freid se pergunta por que mais faculdades não estão fazendo mudanças como essas.

“É tão interessante para mim que uma indústria transformadora para os alunos seja conservadora, rígida”, disse ela. Se recusou a especular sobre o motivo pelo qual o ensino superior é tão avesso a mudanças.

“Você teria que falar com outra pessoa”, disse Freid. “Um terapeuta ou alguém.”

Esta história sobre o desafio das matrículas nas faculdades foi produzida Por Jon Marcus, repórter do  The Hechinger Report , uma organização estadunidense, de notícias independente e sem fins lucrativos com foco na desigualdade e inovação na educação. 

Leia também

Os 3 rankings das universidades mundiais

Artigos relacionados

<

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN