Formação

Tendências de tecnologia no ensino

Cada vez mais presente no dia a dia, ferramentas tecnológicas como IA e machine learning se tornam aliadas no processo educativo

Impulsionadas pelo ensino remoto e híbrido, universidades e escolas passaram a enxergar a necessidade de implementar novos recursos, como a assistência de inteligência artificial (IA) por educadores e avaliações com feedbacks virtuais por professores, favorecendo o trabalho, o aprendizado dos estudantes e o desenvolvimento da própria instituição. A tecnologia tem se tornado uma parceira no processo educativo, expandindo resultados positivos quando utilizada da maneira correta. 

Ao contrário do que se imagina, a ideia não é substituir por completo o modelo antigo de ensino, e sim fazer com que as inovações tecnológicas voltadas para a educação auxiliem a gestão do ensino pedagógico. 

Leia: Especialistas debatem mudanças no ProUni em podcast



A pesquisa sobre aulas remotas realizada pelo Instituto Semesp aponta que, após a experiência de ensino remoto, professores tiveram uma melhora significativa em seus conhecimentos em ferramentas tecnológicas comparada ao ano anterior. Sendo 91,8% e 89,2% dos docentes de instituições privadas e públicas, respectivamente, contra apenas 59,4% dos professores da rede privada em 2020. Ainda segundo a pesquisa, os professores avaliaram positivamente o conhecimento em novas ferramentas e softwares de ensino remoto. 

O professor e a inteligência artificial


machine learning (aprendizado de máquina, em português) – que faz parte da IA, e é um sistema capaz de analisar uma grande quantidade de dados por meio de métodos estatísticos específicos e, a partir daí, definir padrões e chegar a algumas conclusões. 

IA ensino tecnologia

A respeito dessa nova dinâmica, Cesar Barretto, Executivo de Contas LATAM da Turnitin, empresa global de tecnologia educacional, aponta que apesar de ser uma expressão bem comum, a IA tem um aspecto disruptivo por integrar o ensino a distância e presencial, e ir além da simples digitalização.

“A Inteligência Artificial na educação funciona como apoio no processo de aprendizagem e contribui de maneira exponencial para a evolução das tecnologias do setor, podendo ser usada de múltiplas formas e em múltiplas atividades”, explica Barretto.

A tecnologia deve ser usada de maneira estratégica e educativa, não apenas de maneira compulsória, onde seus usuários mal conseguem entender o motivo real dela existir. Quando aplicada de forma efetiva, a IA torna-se muito mais efetiva e faz valer o investimento. 

Desafios da tecnologia no ensino remoto e híbrido

Infraestrutura, concentração, avaliação e integridade acadêmica são alguns dos desafios que professores, alunos e instituições enfrentam atualmente. Por isso, a tecnologia precisa ser estruturada às necessidades específicas da educação. “Muitas vezes, as instituições investem em diversas ferramentas, sem saber como utilizá-las na prática ou entender sua real utilização. A ideia é entender de que maneira é possível automatizar processos e liberar espaço para o que realmente importa, como novas dinâmicas e metodologias em aula, otimização do tempo do professor e feedback efetivo ao aluno”, comenta Barretto.

Contar com ferramentas direcionadas e pensadas exclusivamente para a realidade da educação pode minimizar muitos dos problemas encontrados. A avaliação, por exemplo, é um desafio constante para os professores, que estão sempre buscando maneiras de avaliar melhor e de maneira justa em um contexto de ensino remoto. 

Outro ponto em que os educadores esbarram é o da integridade acadêmica. Em um mundo onde a maior fonte de informação vem da internet, fazer com que o aluno aprenda a referenciar seu trabalho corretamente e receba um feedback adequado, é um desafio. A inteligência artificial surge como uma ferramenta capaz de encontrar similaridades dentro do banco de dados da própria internet e alerta o professor que está fazendo a correção. “Em um estudo da Turnitin, constatamos que, ao usarem o software, 70% dos alunos passaram a produzir textos originais e utilizar citações de forma apropriada”, afirma Barretto.

Diante de tantas mudanças e desafios, é imprescindível que as instituições criem um canal aberto com seus professores para que haja um direcionamento correto e eficaz das aplicações das tecnologias nas escolas e universidades. Do mesmo modo, o diálogo dos educadores com os alunos se faz necessário, a fim de tornar o uso das tecnologias mais responsável e promover uma melhor interação entre os estudantes, tornando o aprendizado mais sólido. 

Leia também

O que um jovem de 18 anos quer?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.