NOTÍCIA

Gestão

Consultoria em tempos de pandemia: o primeiro passo para enfrentar o problema é criar um comitê de crise

Em meio aos processos de mudanças, instituições não podem descuidar dos aspectos legais financeiros

covid-comie-crise-site Foto: Shutterstock

As medidas urgentes tomadas pelas instituições de ensino para dar continuidade às aulas constituem apenas uma das frentes desse enorme esforço de enfrentamento da covid-19.

Os impactos da pandemia são tão abrangentes que a recomendação é que as instituições criem – caso não tenham feito isso ainda – um comitê de contingência. A orientação está presente em um documento produzido pelo Semesp e do qual destacamos alguns trechos.

Leia: Como estão as atividades acadêmicas em tempos de covid-19

consultoria crise pandemia
Foto: Shutterstock

1 Regulação

O primeiro ponto diz respeito ao cumprimento das portarias 343, 345 e 356 de 2020, do MEC, que tratam da oferta de disciplinas a distância em cursos presenciais e da possibilidade de suspensão das aulas. Embora a concessão de férias coletivas tenha sido adotada por algumas instituições, a recomendação é que a prática seja evitada para não prejudicar o calendário acadêmico e o atendimento aos alunos.

O ideal, portanto, é dar continuidade às atividades com a adoção de aulas virtuais, informando o MEC quais disciplinas estão sendo ministradas na modalidade, quais ferramentas tecnológicas foram adotadas e quais serão as formas de avaliação. Vale ressaltar que as práticas profissionais de estágio e as aulas práticas de laboratório não podem ser realizadas remotamente.

Além de comunicar o MEC, as instituições precisam aprovar com seus professores e com o seu colegiado a oferta de disciplinas a distância e, se for o caso, rever o encadeamento das disciplinas para priorizar aquelas que se adaptam mais à modalidade, como é o caso das que contêm maior carga teórica.

2 O caso da Medicina

Com a publicação da portaria 345, de 2020, os cursos de Medicina também ganharam o direito de ministrar aulas a distância. Porém, a medida vale apenas para as “disciplinas teórico-cognitivas do 1º ao 4º ano do curso”.

Quanto à portaria 356, de 2020, ela autoriza a realização de estágio curricular obrigatório em unidades básicas de saúde, unidades de pronto atendimento, rede hospitalar e comunidades especificadas pelo Ministério da Saúde, enquanto durar a situação de emergência. As regras se aplicam aos alunos que estão nos dois últimos anos do curso de Medicina e no último ano dos cursos de Enfermagem, Farmácia e Fisioterapia.

Os estudantes de Medicina deverão se restringir às áreas de clínica médica, pediatria e saúde coletiva. Portanto, a medida não desobriga o aluno de cumprir a carga horária prevista para o estágio em outras áreas, caso mencionadas nas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso.

3 Financiamento de alunos com dificuldades

Considerando que haverá problemas de inadimplência ou pedidos de desistência, as instituições precisam criar programas de retenção, de preferência para os grupos mais afetados, e não para todos os alunos.

Caso a instituição tenha o perfil socioeconômico de seus estudantes, ela pode privilegiar os que têm menor capacidade de pagamento, como sugere o documento do Semesp. Também é possível estabelecer um pedido de carência de pagamento (com confissão de dívida); conceder descontos e bolsas por um período de três meses ou mais; estabelecer um reescalonamento da dívida; ou ainda aperfeiçoar as políticas de desconto, de concessão de bolsa de estudos, de mérito e outras.

Leia: O impacto da crise econômica na juventude

4 Sustentabilidade financeira

Para garantir a sustentabilidade financeira, a primeira sugestão é que seja elaborado um programa de revisão de orçamento e de investimento, com propostas de redução de custos e substituição de prioridades.  As despesas imprescindíveis, que são aquelas ligadas aos atos de regulação, aos tributos e à remuneração dos colaboradores, precisam ser listadas.

Preferencialmente, esse trabalho deve ser feito pela direção e/ou reitoria da instituição em conjunto com o responsável pela área financeira, com os coordenadores de cursos e os colaboradores que a diretoria julgar necessários. Em um momento à parte, todos os colaboradores podem ser convidados a contribuir com ideias para melhorar a eficiência dos gastos.

Paralelamente a isso, é preciso monitorar as desistências e a inadimplência dos alunos em tempo real para, eventualmente, ajustar as propostas de sustentabilidade financeira da instituição.  Também é recomendável a criação de um plano para o 2º semestre, considerando a situação atual e a evolução da pandemia. Este e os demais planejamentos precisam ser feitos de forma realista e conservadora, desconsiderando eventuais benefícios fiscais, alerta a entidade.

5 Aspectos trabalhistas

A medida provisória nº 936, de 1º de abril de 2020, instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda que, entre outras novidades, permite a redução de jornada e salário em 25%, 50% e até 70% por até três meses. Os acordos poderão ser individuais, entre empregador e empregado (vale apenas para trabalhadores com remuneração máxima de R$ 3.135), ou coletivos (para trabalhadores que ganham entre R$ 3.135 e R$ 12.202,12).

Por outro lado, o empregado terá estabilidade no emprego por um período igual ao da redução de jornada e receberá um seguro-desemprego, pago pelo governo. Este benefício emergencial será proporcional ao da redução da jornada. No caso de uma diminuição de 25% nas horas de trabalho, o funcionário receberá um seguro-desemprego na mesma proporção.

A medida provisória permite ainda a suspensão dos contratos por até dois meses. Durante esse período, o empregador deverá manter os benefícios pagos às pessoas, que também receberão um seguro-desemprego. No caso das empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões, o benefício será custeado pelo governo.  Nos demais casos, a empresa fará uma complementação no valor de  30% do salário do profissional.

Leia também:

Ensino superior: disseminação da covid-19 gera inovações e projetos de pesquisa

Inadimplência chega a 25,5% no ensino superior em abril, aponta instituto

Autor

Marina Kuzuyabu e Deborah Oliveira


Leia Gestão

Marina Feferbaum

Novas demandas mundiais transformam a sala de aula

+ Mais Informações
Taiguara Langrafe é organizador do FinancIES

FinancIES: diretores executivos questionam ensino superior

+ Mais Informações
Evasão escolar

Por que os alunos abandonam a universidade

+ Mais Informações
Relevância das IES

Inércia pode custar a relevância

+ Mais Informações

Mapa do Site