NOTÍCIA

Gestão

EMS e PUC-Campinas se unem para nova demanda na saúde: Medical Affairs

Apesar da formação na área ser contínua, demanda por novo perfil fez a parceria elaborar curso de extensão gratuito, que possa entregar profissionais rapidamente para o mercado

Publicado em 18/02/2022

por Mayara Figueiredo

EMS Hortolândia - medical affairs EMS em Hortolândia, São Paulo (foto: reprodução/EMS)

A ampliação do acesso aos dispositivos móveis, aliada à velocidade de informações via internet, permitiram que as pessoas encontrassem outras formas de se inteirar sobre seus males, por meio da presença de profissionais das mais diferentes especialidades nas redes sociais, sites e fóruns internet a dentro – antes, só possível em consulta presencial. Médicos, por sua vez, hoje têm outras alternativas além da prática clínica, e eis que surge o profissional de assuntos médicos (medical affairs).

Leia: Em 3 anos, Afya cresce com fusão e verticalização



Sendo uma demanda da indústria farmacêutica, a área de medical affairs é exercida especificamente por médicos e engloba funções de padrões nacionais e internacionais. Como a competência é relativamente nova, espera-se desse profissional uma visão de gestão com conhecimentos multidisciplinares e técnico-científicos.

“Medical affairs é o responsável por assegurar que as iniciativas comerciais estejam cientificamente corretas, equilibradas e de acordo com os códigos deontológicos da indústria farmacêutica – o que significa rever todos os produtos antes de serem disponibilizados aos profissionais de saúde ou mesmo comercializados”, explica o Dr. Diogo Magalhães, global medical affairs na Bial, em Portugal.

A demanda

Atenta à necessidade por esse novo perfil, a EMS, principal indústria farmacêutica do país, decidiu subsidiar um curso de extensão gratuito com certificação pela PUC-Campinas, denominado Medical Affairs: dos conceitos à estratégia dos negócios, e restrito para 30 candidatos.

EMS Hortolândia - medical affairs
EMS em Hortolândia, São Paulo (foto: reprodução/EMS)

A seleção, bastante rigorosa, se estende apenas a graduados ou pós-graduados na área médica, cuja a seleção passa por análise de currículo, carta de intenção e vídeo de apresentação pessoal e profissional de três minutos. O curso tem duração de quatros meses, distribuídos em quatro horas semanais, todas as sextas-feiras à tarde, o que exige disponibilidade e muita vontade de atuar na área.

“Com isso, a empresa tem duas finalidades: uma consiste em, tanto por parte da EMS quanto da universidade, oferecer conhecimento técnico aberto aos profissionais da área, formados pela PUC ou não e capacitá-los. Ao mesmo tempo, também identificar potenciais que possam ser aproveitados pela empresa”, diz Marina Pontes, coordenadora dos projetos de extensão da PUC-Campinas.

Cultura de parceria com empresas

E essa não é a primeira parceria entre a empresa e a instituição. Em 2021, o foco foi em pesquisa clínica e, dentro dos mesmos padrões de inscrição e modelo de curso, foi muito bem avaliado pelos estudantes, conta a coordenadora. “Tivemos uma taxa de evasão muito pequena e por motivos pontuais, felizmente bons: foram pessoas que conseguiram oportunidades de trabalho em outro local ou no horário do curso, não por insatisfação”.

Marina Pontes conta ainda que ao final do curso foram absorvidos dois participantes e um terceiro estava em processo. “Eles tinham mapeado quase um terço que gostariam de absorver, mas as vagas disponíveis até o momento eram só aquelas três”.

A PUC tem uma cultura de promover cursos em parceria com empresas para capacitação de diferentes formas: pode ser para atualizar profissionais de companhias que contratam um curso específico para seus colaboradores e aí são disponibilizados professores especialistas para montar um curso personalizado de acordo com suas necessidades e também de aperfeiçoamento para um público geral que possa ser incorporado a essas empresas mais tarde, como é o caso da EMS. “Conseguimos formar parcerias que criam sinergia tanto para as necessidades e demandas de fora, quanto para as de dentro. É uma troca”, completa Pontes.

Leia também

Alunos da área de saúde são braços no tratamento pós-covid

Autor

Mayara Figueiredo


Leia Gestão

Uniube

Expansão no Triângulo Mineiro é resultado de tradição e ousadia

+ Mais Informações
Fernanda Verdolin

Cultura de carreira pode garantir empregabilidade

+ Mais Informações
Marina Feferbaum

Novas demandas mundiais transformam a sala de aula

+ Mais Informações
Taiguara Langrafe é organizador do FinancIES

FinancIES: diretores executivos questionam ensino superior

+ Mais Informações

Mapa do Site