Com apoio dos veteranos, instituições de ensino superior acolhem calouros com ações conscientizadoras

Célia Helena realiza duas semanas de imersão com rodas de conversa e festa. Já na São Judas, a Liga das Atléticas incentiva a arrecadação de alimentos para moradores de rua

SHARE
, / 1

Acolher os calouros de maneira não convencional para gerar a sensação de pertencimento perante a instituição faz parte da agenda do Célia Helena Centro de Artes e Educação (SP) há pelo menos seis anos. “Buscamos, principalmente, tirar a ideia da instituição como um lugar apenas de aprendizado formal e tradicional e fazê-los entenderem que é um local de encontro e troca de saberes”, explica Daves Otani, diretor acadêmico do Célia.

Leia: “Falta de sentido”, o grande vilão da evasão no ensino superior

A experiência profissional de Daves o faz notar que os ingressantes chegam na graduação ou no curso técnico com a expectativa de encontrarem a mesma dinâmica de estudos e relacionamentos que tinham na educação básica.

calouros 2020
Música-encontro uniu veteranos e calouros para falar sobre livros que inspiraram canções, mediação de Gustavo Vellutini (foto: Célia Helena/divulgação)

Pensando nisso, a escola de artes começou a trabalhar com atividades que ajudem os alunos a desenvolver a autonomia e a construir uma relação com o ensino mais sistêmica, que invada o campo interpessoal e estimule o debate de saberes, conta o diretor.

A recepção aos calouros da graduação e cursos técnicos no Célia Helena tem duração de duas semanas. Neste ano, as atividades aconteceram entre 3 a 15 de fevereiro e a programação contou com festa, palestras, apresentações de peças realizadas pelos veteranos, rodas de conversa, cerimônias de apadrinhamento e cine-encontros.

ensino superior recepção veteranos com calouros
Cinema e sexualidade foi um dos temas discutido no cine-encontro, com mediação de Marcos Barbosa (foto: Célia Helena/divulgação)

Os assuntos são voltados à arte e às relações sociais e alguns encontros são abertos para pessoas de fora — todos mediados por professores da instituição com convidados e artistas externos, para inclusive, já estabelecerem contato com o mercado. Sexualidade, branquitude (como se constrói o mundo a partir da visão do branco) e LGBTQI+ foram alguns dos temas abordados este ano. Também houve um espetáculo apresentado e montado pelos graduandos com texto de Milôr Fernandes.

Leia: Universitários bem-formados recusam Google e Facebook como empregadores

Mão na massa

No ano passado, as instituições de ensino superior ofereceram 9.858.706 vagas novas, segundo dados do Inep. Alternativas para evitar trotes violentos e criar esse sentimento de pertencimento está cada vez mais no radar de gestores e coordenadores acadêmicos.

Enquanto no Célia Helena a instituição é a principal articuladora do evento, contando com a participação dos alunos em ações como apoio ao conteúdo, na Universidade São Judas (SP), a Liga das Atléticas é a responsável pelo “trote solidário”, que arrecada alimento não perecível e ainda produz marmita para entregar a moradores de rua da Zona Leste de São Paulo. Todos os cursos e unidades participam.

trote solidário
Alunos arrecadaram alimento para pessoas em situação de rua também no ano passado (foto: divulgação)

A arrecadação junto aos calouros começou nesta segunda, 17, e vai até 28 de fevereiro. Em 29 deste mês, os alunos farão o ato solidário. Em 2019, a Liga das Atléticas também fez a doação de alimentos e toda a organização ficou por conta dos estudantes. Já neste ano, a universidade está apoiando na pré-produção e na divulgação para estimular os alunos a participarem.

Leia: Alunos sem Fies evadem três vezes mais

“Muita gente acha que atlética é festa, mas longe disso. Ela surge pelo esporte e tem muitas outras ações. Levamos a sério iniciativas sociais”, defende Vitor Ede Rodrigues Guerieri, líder das Atléticas da São Judas. Vitor tem 22 anos e se formou ano passado em Publicidade e Propaganda.

A Liga representa nove atléticas da São Judas, espalhadas pelas 11 unidades da universidade. São elas: Comunicação Social e Artes, Saúde, Engenharia, Arquitetura e Urbanismo, Tecnologia da Informação, Ciências Humanas e Sociais, Medicina Veterinária e Odontologia. Vitor conta que as atléticas realizam outras ações durante o ano, como na Páscoa, em que arrecadam chocolate para doação, no setembro Amarelo, em que realizam palestras com profissionais da saúde e o incentivo à doação de sangue.

Leia também:

Número de alunos com deficiência está em expansão nas instituições de ensino superior

Projeto de professor de Ciências Biológicas leva conhecimento para comunidades rurais e indígenas

Artigos relacionados

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN