Covid: grupos focais fornecem informações sobre o que pensam os alunos

A avaliação dos planos para a retomada das aulas presenciais é destaque de uma pesquisa feita na Universidade de Connecticut, nos EUA, com seus estudantes

SHARE
, / 0

Por Delece Smith-Barrow*: Com o novo ano letivo a poucas semanas de distância e os casos de coronavírus em alta, muitos presidentes de faculdades e universidades norte-americanas compartilharam planos ambiciosos para um semestre de outono nunca antes executado. Os alunos terão que usar máscaras nas aulas, manter distância social o máximo possível, fazer o teste da covid-19 e mais para evitar a propagação do vírus. Os planos são longos e detalhados, e muitas das novas regras parecem difíceis de seguir, o que faz você se perguntar: O que os alunos pensam desses planos?

Leia: O setor do ensino superior está à beira do precipício?

Sherry Pagoto, psicóloga clínica e professora da Universidade de Connecticut, pode lhe contar. Ela e sua assistente de graduação, Laurie Groshon, passaram as últimas semanas conduzindo grupos focais com estudantes da Universidade de Connecticut para aprender o que pensam sobre as estratégias de prevenção da covid-19 da universidade e o que os estudantes estão realmente dispostos a fazer para manter o campus seguro. Parte do que os alunos compartilharam pode desapontar, mas outros pensamentos podem surpreender.

grupos focais covid
Foto: Shutterstock

A reação

Em 11 de julho, Pagoto escreveu um tópico no Twitter sobre algumas de suas descobertas, e o tópico logo se tornou viral. Seu primeiro tweet foi retuitado mais de 7.000 vezes e curtido 9.000 vezes.

Pagoto e Groshon conduziram entrevistas com seis ou sete grupos focais, cada grupo tendo entre quatro e sete alunos, a maioria dos quais estudantes de graduação. No Twitter, Pagoto compartilhou que os alunos são especialmente duvidosos quanto à quarentena de 14 dias exigida pela universidade para estudantes residentes antes do início das aulas.

“Todo aluno entrevistado disse que isso não é realista e provavelmente irá falhar”, escreveu Pagoto. “Elas apontaram que os alunos estão ansiosos para se ver e encontrarão uma maneira de fazê-lo quando chegarem ao campus. Eles disseram que os estudantes que moram a uma ou duas horas de distância tentarão encontrar uma maneira de voltar para casa e os fora do campus provavelmente encontrarão seu caminho no campus.”

Os grupos focais também consideraram o rastreamento de sintomas através de aplicativos móveis e o uso de máscaras em ambientes sociais. Suas respostas poderiam dar à universidade motivos para se preocupar.

Os estudantes têm medo de ficar em quarentena automaticamente se reportarem sintomas e disseram “a menos que seus sintomas sejam graves e incomuns, eles podem não notificá-los”, escreveu Pagoto. E quanto ao uso de máscaras, “eles contaram que vai depender das normas sociais do grupo. Muitos revelaram que os alunos deveriam se responsabilizar, mas não sabiam como fazer isso.”

Leia: Com adiamento do Enem, faculdades reajustam calendário

Críticas de lado

Mas os alunos foram criativos e atenciosos também. Embora a perspectiva de 14 dias de não fazer nada em quarentena não fosse atraente, eles compartilharam ideias de como a universidade poderia tornar esse período mais agradável. Eles sugeriram noites de bate papo on-line, com professores fazendo leituras para eles e concursos de criação de máscaras, disse Pagoto, quando conversamos.

“Eles gostaram da ideia dos estudantes transmitirem ao vivo para mostrar seus talentos, como músicas ou estudantes de artes plásticas podendo fazer transmissões ao vivo de qualquer que seja sua habilidade”, disse ela.

Os alunos também contaram que deveria haver alguma responsabilidade dos membros mais velhos da comunidade do campus.

Eles disseram: “Vocês estão nos perguntando sobre o uso de máscaras, sobre quarentenas’ ‘, e eles falaram:’ Você sabe, é difícil para nós e vemos adultos muito mais velhos do que nós que não fazem essas coisas”, disse Pagoto.

Os estudantes também temem ser repreendidos por não seguirem as regras e sugeriram que a universidade os recompense por bom comportamento. Pagoto explica que é importante que faculdades e universidades trabalhem para se livrar do estigma causado pelo coronavírus e para mostrar empatia aos estudantes, que geralmente são classificados como não levando a doença a sério. Eles sofreram muito nos últimos meses e querem genuinamente que a reabertura do campus seja um sucesso, disse ela.

Leia: Americanos discutem o fim de testes admissionais

Proximidade

As instituições devem “deixar uma porta aberta para as pessoas expressarem como estão se sentindo, reconhecendo que os estudantes perderam algo e estão realmente chateados com isso”, disse Pagoto. “Eu acho que é isso que eles realmente querem ouvir.”

Pagoto contou que não conhece outras universidades que conduziram grupos focais semelhantes, mas isso pode mudar em breve. “Compartilhei o roteiro do meu grupo de foco com provavelmente pelo menos 30 pessoas que farão esse trabalho em seus campi”, revelou ela.

Ela recomenda que todas as instituições conduzam grupos focais para que os alunos entendam melhor suas preocupações e ideias para retornar ao campus.

“Nesse exercício de trazer os alunos e ouvi-los, posso dizer que eles gostaram muito, que deram uma opinião e sua voz está sendo ouvida e suas sugestões consideradas”, concluiu ela.

*Esta história sobre o semestre do outono foi produzida pelo The Hechinger Report , uma organização norte-americana de notícias independente e sem fins lucrativos, focada na desigualdade e inovação na educação.

Leia também:

Como podemos retomar as aulas presenciais

Como ajudar os estudantes durante o processo de internacionalização

Artigos relacionados

Comentários

comentários

 youjizz

best replica watches

  blog.aidol.asia youngteens.net a-coon.com

PASSWORD RESET

LOG IN