NOTÍCIA

Formação

Internacionalização em casa acolhe demanda reprimida, apontam especialistas

Buscas por certificação internacional cresceram durante a pandemia. Diferencial é altamente requisitado pelo mercado

Publicado em 25/03/2022

por Redação Ensino Superior

internacionalização em casa_foto-prpg usp Aspecto de empregabilidade a partir da certificação internacional é inegável. Foto: PRPG/USP

A primeira de nove tendências identificadas no estudo Futuro do ensino superior: tendências, perspectivas e questionamentos, realizado pelo CEPI (Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação) da faculdade de direito da FGV-SP, é a integração global-local, ou simplesmente, internacionalização. Impulsionado pela globalização o movimento é crescente e cada vez mais pessoas têm buscado por certificação internacional. Nas instituições do Grupo Ânima, por exemplo, foi identificado um aumento de 65% nessa procura durante a pandemia.

Leia: Internacionalização em casa é a saída

Um dos fatores desse aumento é a internacionalização em casa que, como explica o relatório, engloba universidades virtuais, atividades extracurriculares, diferentes métodos de ensino, integração com bibliografia e docentes de diferentes partes do mundo, “tudo mediado pela tecnologia e sem a necessidade de cruzar oceanos”, acrescenta Alberto Costa, especialista em certificação internacional de língua inglesa e preparo de professores, e Senior Assessment Manager na Universidade de Cambridge. 

Este aspecto também permitiu atender uma demanda reprimida de pessoas que tinham o desejo de ter uma experiência internacional, mas que por questões financeiras e/ou profissionais, não tinham como ir ao exterior. “Hoje mais do que nunca, com a mudança de cenário trazido pela pandemia, que flexibilizou e intensificou as experiências remotas, é possível oferecer aos estudantes ferramentas que vão muito além do intercâmbio, mas dentro da própria instituição e de forma acessível a todos.”, explica Danielle Santos, gerente de internacionalização da Ânima Educação.  

“Não foram apenas as universidades que se adaptaram à nova realidade imposta pela pandemia, grande parte das empresas multinacionais oferecem hoje diversas vagas de trabalho e estágio remoto no mundo todo”, reforça.

internacionalização em casa_foto-prpg usp
Aspecto de empregabilidade a partir da certificação internacional é inegável. Foto: PRPG/USP

Essa oportunidade, segundo a gerente, compõe a base da formação do estudante como cidadão do mundo, aquele que consegue enxergar novas possibilidades para empreender em uma carreira de sucesso.

Certificação internacional e empregabilidade

Para Lucas dos Santos Gonçalves, 22 anos, estudante de Direito da São Judas, que participou do curso de extensão International Negotiation, a democratização da educação internacional por meio das instituições privadas ainda é uma conquista relativamente nova e importante para toda a sociedade. “Estamos vivendo uma mudança de paradigma, onde qualquer um pode e deve ter acesso a esses programas internacionais. Eles trazem benefícios e ajudam a expandir o horizonte do indivíduo enquanto estudante, profissional e pessoa.” 

Leia: Metaverso transformará profissões e criará novas até 2030

Durante o curso, Gonçalves conta como aprendeu a solucionar situações de conflitos, utilizando uma técnica prática e aplicável. “Isso fez com que eu pudesse assumir posições de liderança em trabalhos em grupo, sempre mediando os conflitos e encontrando a melhor solução possível.”

Alberto Costa, pontua que o aspecto da empregabilidade a partir da certificação internacional é inegável. “O mercado de trabalho, seja ele brasileiro ou estrangeiro, cada vez mais exige que seus profissionais sejam, acima de tudo, cidadãos formados não apenas de capacidade técnica na sua área e de informações sobre o seu país de origem, mas também de soft skills e conhecimento que permitam uma atuação relacionada à solução de problemas em colaboração com times diversos, por vezes de outras nacionalidades”. 

Entre os diversos programas internacionais oferecidos pelas instituições da Ânima e que englobam eventos, extensões, nanodegrees internacionais e intercâmbio online, alguns resultados obtidos em 2021 são destacáveis: foram 2.673 participantes no evento Global Health Congress, com cinco grupos de trabalho que resultaram em duas publicações no Brazilian Journal of Global Health; e 156 alunos estrangeiros matriculados em 6 cursos de nanodegree ofertados em quatro países (Argentina, Peru, México e Estados Unidos).

Costa acentua que o que vai determinar o sucesso da internacionalização em casa de cada instituição é a adoção de uma política que considere os objetivos da sua população de forma alinhada com os critérios que conduzem uma universidade a esse patamar (para dar condições que os indicadores apontados pelo British Council estejam naturalmente englobados no perfil da sua universidade), e de maneira integrada  ao programa linguístico que precisa ser bem estruturado e fundamentado para propiciar a comunicação e a troca entre as comunidades.

Leia também

CLIL, EMI e PBL: as abordagens para o ensino superior internacionalizado

Autor

Redação Ensino Superior


Leia Formação

Licenciaturas

Licenciaturas têm que ser repensadas, mostra Mapa

+ Mais Informações
Bullying na universidade

Universidade deve agir para frear o bullying

+ Mais Informações
Qualidade no ensino

Modalidade não importa; qualidade, sim

+ Mais Informações
Moradias universitárias

Parceria das universidades garante moradias universitárias

+ Mais Informações

Mapa do Site